quinta-feira, 3 de novembro de 2016

"3 pontos, 1,5M€ e o credo na boca": Futebol Clube do Porto 1x0 Club Brugge KV (crónica)

Ficha de jogo completa em fcporto.pt

Nossa senhora... Escapámos de boa, mas seguimos em frente com um objectivo ainda por lutar. O Futebol Clube do Porto conquistou uma vitória magra, mas valiosíssima para garantir um lugar na próxima fase das competições europeias e seguir na luta por um lugar nos oitavos de final da Liga dos Campeões. Suada, dura e arrancada a ferros, mas ganhámos!! Vamos ao filme...

Nuno Espírito Santo acreditou que poderia fazer melhor do quem em Setúbal com praticamente os mesmos. Por isso, apenas deu a oportunidade a Maxi Pereira de render Layún e ser o dono de TODO o corredor direito. Gostaria também de destacar alguma jogada de perigo do Futebol Clube do Porto, mas tivemos de esperar até ao momento em que Wesley fez Casillas brilhar, perto do minuto 25, para que o Futebol Clube do Porto desenhasse uma jogada de perigo. Até àquele momento, apenas ameaças de ameaças, e nenhum remate enquadrado. Óliver ainda interceptou com o braço de forma clara no canto subsequente, mas o momento de viragem aconteceu. Na ressaca de um canto, Felipe ficou perto de inaugurar o marcador, mas acertou no guarda-redes Butelle. Depois foi Alex Telles, a partir da bola parada, a acertar no poste. Faltou sorte nesse momento... A sorte que não fugiu a André Silva. Na sequência de um canto, o avançado Português respondeu de cabeça no primeiro poste. A bola bateu ainda num adversário, que assim enganou Butelle e o marcador mexeu. Pouco mais ocorreu até ao intervalo.

Números da primeira parte. Mais Futebol Clube do Porto. Fixe bem esta realidade, mas comparação mais abaixo.

Primeira parte de controlo do Futebol Clube do Porto, mas com poucas ideias e perigo reduzido e equilibrado para as duas balizas. A vantagem do Futebol Clube do Porto justificava-se pela maior iniciativa e pelo quarto de hora final bem mais perigoso.


Um desvio de sorte, milionário e muito bem-vindo.


Para a segunda parte, voltaram os mesmos onze, mas com três em aquecimento, já a adivinhar o que estaria para vir. Isto porque o Futebol Clube do Porto voltou a não entrar da melhor forma. O ascendente parecia estar do lado do Club Brugge. Nuno Espírito Santo pedia calma aos seus jogadores, mas o minuto 61 trouxe um momento de stress no Estádio do Dragão, com André Silva a cair na área. Talvez como no primeiro tempo, o árbitro deixou passar. Héctor Herrera saiu para a entrada de Rúben Neves. Além da instrução a Diogo Jota para abrir bem à direita, com o médio Português em campo, o radar de passe aumentou. Rúben lançou Maxi em velocidade, que na linha de fundo, escolheu cruzar atrasado, mas sem o melhor seguimento a partir daí. Corona foi o seguinte a ser chamado, para entrar ao minuto 71 para o lugar de Diogo Jota. Com sangue novo em campo, o Futebol Clube do Porto reapareceu na partida. Alex Telles de um lado e Corona do outro procuraram "cruzar rematando". Infelizmente, o perigo iminente não passou disso. Houve possibilidade para matar o jogo. Como não aconteceu, o Club Brugge, campeão da Bélgica e actual 5º classficado da sua Liga doméstica, e último, sem qualquer ponto no grupo da Liga dos Campeões, viu a oportunidade e cresceu novamente, encostando o Futebol Clube do Porto às cordas. E nós aguentámos como soubemos, cortando lado, aliviando acolá... Saímos do Estádio do Dragão com o credo na boca, mas ganhámos!


(+)

Casillas: Um par de defesas novamente decisivas por parte do espanhol, que acompanha uma defesa muito sólida e pouco dada a brincadeiras ou a distracções.

Felipe, Marcano  e Danilo: Outra fantástica prestação da tripla defensiva. Seguros, concentrados e sérios. Além disso, ainda ajudam em momentos ofensivos. É um trabalho muitas vezes pouco denotado, mas que merece um enorme elogio. E bem precisamos que continuem assim.

(-) 


Herrera: ... já não há palavras.....

Óliver: Boas trocas com Otávio em determinados momentos, mas, quando as coisas não saem bem, há que simplificar e entregar a outros mais inspirados. Um pouco mais de apoio poderia ajudar a resolver algumas precipitações. 


Uma ponta de sorte muito bem-vinda.

Nuno Espírito Santo decidiu guardar os seus dotes de desenho para outro momento, mas as suas escolhas merecem novo comentário. Voltou a errar na estratégia de abordagem à partida, que produziu uma exibição sólida atrás, inconsistente a meio, e pobre na frente, mas soube corrigir com as alterações. Perante o impasse no marcador, apostou na contenção. Embora seja vergonhoso ter de defender um resultado magro, em casa, frente ao Club Brugge, conseguiu o objectivo e segurou os três pontos. Ou seja, o mais importante! O sector defensivo mostra-se novamente muito sólida. Certamente que o Treinador do Futebol Clube do Porto terá quota-parte de responsabilidade neste sucesso defensivo. 



Os números da partida não escondem o fraco jogo, mas os sete pontos de vantagem para este adversário deixam-me muito satisfeito. Com este resultado, é possível ter esperança e lutar. Nota para o ambiente do Estádio do Dragão. Fiz um apelo claro a um Dragão benevolente, capaz de perdoar o passe errado, o remate sem nexo, a perda de bola amadora. Porque é isto meus caros. É com isto que vamos lutar. Esqueçam a construção, o crescimento ou a evolução da equipa. Aonde formos, vamos com isto. Cabe a quem está na bancada de injectar os escolhidos, normalmente repetidos, com um "extra" de motivação que neste momento não existe. Esta partida foi um excelente teste para tudo isso. E creio que falhámos. Assobiámos, insultámos, apupámos. E sempre que abriam a boca, os belgas abafavam tudo. Domingo seremos mais. Mas vem aí o líder. Que, sem jogar melhor que nós, vai continuar líder isolado seja de que maneira for... Uma coisa é certa: os escolhidos vão entrar com o peso do mundo em cima dos ombros.. 

Duas notas muito importantes. Primeira para a Assembleia-geral de hoje, crucial para os destinos do Nosso Grande Clube, e que exigem a presença de todos, a fim de se encher novamente o Auditório do Piso -3. Depois para a renovação de Otávio. Nos tempos que correm, é importante questionar todos os pequenos pormenores deste negócio (prémio do empresário, quem intermediou, alienamos alguma parte do passe, dia oportuno para publicitar essa renovação). Mas o resultado final aponta para um futuro seguro para o Futebol Clube do Porto e para Otávio: 60.000.000,00€ de cláusula de rescisão e contrato até 2021. O resto é melhor nem dizer nada, para não estragar... 


Crente. Portista.


O que achou desta partida? Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.


Sem comentários:

Enviar um comentário