terça-feira, 9 de agosto de 2016

Os escolhidos de Nuno, um a um. (Parte I)

Nunca esquecer quem escolheu Nuno Espírito Santo.
Nuno Espírito Santo fez as suas escolhas. Independentemente de contratações que possam chegar, o Treinador do Futebol Clube do Porto tinha matéria a mais por onde escolher… e escolheu! Um a um, analisemos quem escolheu, e quem afastou, começando pela terreno mais atrasado.


--- Guarda-redes ---

Iker Casillas: esteve em aberto a possibilidade de aceitar propostas do outro lado do Atlântico, mas assim não o fez, escolheu ficar no Futebol Clube do Porto e renovar contrato. Temporada de 2015/16 de altos e baixos na baliza, deverá voltar a ser o número 1 da baliza do Futebol Clube do Porto. O futuro o dirá se a escolher foi a correcta. Dada o enorme gasto anual, não creio que valha a pena cá estar. Começou em 5.000.000,00€ por época. Por esta altura, já passará dos 6.000.000,00€ com toda a certeza.

José Sá: com o afastamento de Hélton, será o suplente da baliza do Futebol Clube do Porto. Foi escolha habitual durante a pré-temporada, devido à presença de Casillas no Europeu e consequente preparação atrasada. Ano de 2016 positivo até ao momento, com a conquista da Segunda Liga pela equipa B. Será interessante ver a evolução deste jogador.


Nuno não contou com Kadu, Sinan Bolat e Fabiano. Também afastou Hélton. Já Andrés Fernandez ainda seguiu para estágio, mas rapidamente encontrou alternativa. Não poderia concordar mais com as decisões que tomou.


--- Defesas-centrais ---

Felipe: Primeira contratação da temporada, ingressou no Futebol Clube do Porto vindo do líder Corinthians por 6.200.000,00€. Do que vi, é muito parecido com Maicon. Muito alto, excelente jogo aéreo, quer ser líder. Inconstante e com níveis de concentração variável. Falta só saber o seu par. 

Marcano: Olhando para o plantel, parece ser o favorito a fazer par com Felipe. Ajuda bem na construção de jogo, mas a sua capacidade defensiva causa-me calafrios. A mim e a muitos Portistas. O simples facto de ainda não ter saído do Futebol Clube do Porto só pode se justificar pela inexistência de interessados.

Diego Reyes: Temporada transacta na Real Sociedad muito positiva do mexicano. Esta será a sua quarta temporada de Dragão ao peito. Exactamente! Quarta temporada... O tempo voa e Diego Reyes segue sem afirmar-se no Futebol Clube do Porto. Chega às "mãos" de Nuno Espírito Santo mais maduro, experimente e à procura de uma oportunidade.


Chidozie: Foi apresentado, mas nem chegou a sentar-se no banco frente ao Villareal. O seu futuro é incerto, perante a possibilidade do ingresso de um reforço para o sector. Pese embora a possível utilização na equipa B, creio que o empréstimo a um clube da Primeira Liga onde fosse titular seria a decisão mais correcta. Precisa de jogar, de cometer mais erros, para, quem sabe, no futuro, acertar mais e fazer parte do plantel do Futebol Clube do Porto.

Para esta posição, o Treinador do Futebol Clube do Porto decidiu não ver Abdoulaye e Lichnovksy, bem como Maicon, que foi transferido. Decidiu dispensar também Martins Indi. Mais do que uma decisão técnica, creio que o afasta com a indicação de que pode ser vendido, e prefere nem contar com ele. Só dá para pensar desta forma. Caso contrário, seria uma decisão inaceitável.



--- Defesas-Laterais ---

Maxi Pereira: mais um contratação milionária a custo zero do Futebol Clube do Porto. 4 milhões de Euros por ano que Maxi faz por justificar por cada metro que corre. Se em 2015/16 não teve concorrência, Layún poderá questionar a sua posição. Tal como Casillas, tendo em conta o investimento, não vejo proveito suficiente. 

Layún: Foi a revelação da temporada, a melhor contratação e o mestre das assistências. Era difícil pedir mais a um lateral na tarefa ofensiva. Defensivamente, não demonstrou tanta eficiência. A meu ver, 6.000.000,00€ bem investidos. Resta agora saber se Nuno Espírito Santo os irá rentabilizar.

Alex Telles: Até ao momento é contratação mais cara. 6.500.000,00€ ao Galatasary. Esteve emprestado ao Inter na temporada passada, e não impressionou. Por isso, foi devolvido. Creio que no Futebol Clube do Porto poderá justificar o potencial que demonstrou aquando da sua ida para a Turquia. Tem capacidade ofensiva, mas é acima de tudo um defesa. Expectante perante o que poderá produzir.

Para estas posições, Nuno Espírito Santo rejeitou de imediato David Bruno. Depois, Rafa Soares, José Ángel e Victor Garcia, que tiveram ordem de empréstimo. Se houvesse já número suficiente no plantel, até se compreendia. Tendo em conta os três escolhidos e que Silvestre Varela tem sido chamado quando necessário substituir Maxi, são decisões que não consigo compreender. Se o espanhol teria ordem de marcha com toda a certeza, tanto Rafa como Victor Garcia teriam espaço neste plantel. De toda a maneira, Nuno Espírito Santo decidiu afastar ambos, pedir uma contratação e recorrer a uma adaptação. Muito por explicar.


Até ao momento, não só o número de defesas-laterais é curto, como ainda existe intenção de reforçar o centro da defesa. Isto já depois da apresentação do plantel e a dias da competição. Mas sigo crente em Nuno Espírito Santo e nas suas decisões. A parte II será publicada amanhã, dedicada aos elementos do plantel que poderão ocupar terrenos mais adiantados.


Crente. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.


Um abraço.

2 comentários:

  1. Qual a situação actual de Gudiño...? Regressou do U.Madeira e nunca mais foi falado. Vai voltar a fazer a época com a B e discutir a titularidade com João Costa (que parece ser a próxima aposta)?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Vitor Gomes, obrigado pelo comentário.

      Confesso que não lhe sei responder a essa pergunta. Aliás, também gostava de saber a resposta. Sei que jogou em Estarreja pela equipa B. A imprensa mexicana indica que o jogador não foi aos Jogos Olímpicos apenas porque o Futebol Clube do Porto não deixou. De resto, não sei mais... Nem se fica na equipa B ou vai ser emprestado.

      Um abraço

      Eliminar