terça-feira, 30 de agosto de 2016

"E dar a cara, não?": Ainda o clássico de Alvalade


Braga, 21 de Janeiro de 2015, em resposta ao assalto de Cosme Machado. Além da zona mista, até na "flash interview".

Numa publicação anterior, de antevisão ao Clássico, abordei a rara e surpreendente aparição na zona mista de Jorge Nuno Pinto da Costa, Presidente do Futebol Clube do Porto, na ressaca da vitória no Olímpico de Roma. O Presidente do Futebol Clube do Porto apareceu na zona mista para elogiar a equipa, esclarecer rumores e insultar palpiteiros. Com o conforto da vitória, é fácil falar. Já depois da derrota, reina o silêncio. 


Não foi muito, mas foi suficiente para uma flash interview.


Após a derrota em Alvalade, era hora de registar nova intervenção. De imediato, até porque o assalto dentro das quatro linhas o exigia. Qual não é o espanto que, passadas 48 horas, Nuno Espírito Santo foi o primeiro e o único elemento do Futebol Clube do Porto a falar, em conferência de imprensa logo após a partida. Aí, o Treinador do Futebol Clube do Porto não fugiu àquilo que é a sua personalidade. Composto, calmo, mas pouco dado a escabeches relacionados com o apito, encolheu-se perante o assunto, deixando apenas deixas pouco assertivas. De toda a maneira, não é essa a responsabilidade do Treinador do Futebol Clube do Porto. Se a arbitragem faz parte do jogo, cabe a outros elementos da "estrutura" aparecerem perante os jornalistas e falar do que realmente se passou. Se Jorge Nuno Pinto da Costa sempre assumiu a responsabilidade de dar a cara, o que é facto é que escolheu não o fazer.



As redes sociais foram palco de indignação. O twitter foi palco de troca de galhardetes, e de frames.

Com efeito, a luta do Futebol Clube do Porto parece ter sido desviada das câmaras televisivas e centrada nas redes sociais. Foi o Futebol Clube do Porto que arrancou com duas imagens da transmissão do jogo. No twitter, o Sporting decidiu responder, com novo palpite do Futebol Clube do Porto nessa mesma rede social. Julgo que todas as imagens foram trazidas para análise em reunião da SAD, onde tudo foi discutido, incluindo a expulsão de Jorge Jesus que só efectivamente ocorreu cerca de três minutos depois. O problema é que, até ao momento, não existe qualquer reacção oficial, tanto falada, como escrita. É de especial relevo a análise do trabalho de Tiago Martins, que além dos erros de julgamento, beneficiando claramente a equipa da casa, comete um erro técnico grave, passível de protesto formal do jogo e sua repetição, colocando mesmo em causa o sucesso da carreira do árbitro do Clássico. Curiosamente aqueles que dão a cara para as câmaras de televisão, defendendo o Futebol Clube do Porto, são aqueles que foram insultados pelo seu Presidente na última Assembleia-geral, enquanto o responsável-máximo pelo Clube e pela SAD se esconde, encolhido e silencioso. Ridículo. Vergonhoso. Covarde.


O Facebook do Futebol Clube do Porto voltou a ser o palco para contestação. Não as câmaras.

Sigo, obviamente, crente de que é possível dar a volta. Chegámos à fase de grupos da Liga dos Campeões e apenas perdemos um jogo. Em Alvalade, estádio onde o Futebol Clube do Porto tem histórico de registar enormes dificuldades. Não será por esta derrota que o Futebol Clube do Porto não alcançara o sucesso. Será impedido sim se continuar passivo e doente, pois o que se passou em Alvalade voltará a repetir-se. Porque eles perdem a vergonha com a nossa passividade e vão crescendo. E nós, como neste últimos três anos, vamos continuar a cair. Quando o campeonato de 2014/15 foi dado de bandeja pelo apito, quem falava? Julen Lopetegui, sozinho. Quando caíamos aos trambolhões na classificação durante 2015/16, quem sentiu necessidade de falar? José Peseiro. Dos responsáveis da SAD do Futebol Clube do Porto, registo apenas uma aparição: 20 de Dezembro de 2015, após assumir a liderança do campeonato, Jorge Nuno Pinto da Costa apareceu na zona mista, elogiando tudo e criticando todos, com o conforto da vitória. 20 dias e 3 jogos depois, despediu o treinador. Já vimos que Nuno Espírito Santo não é homem para estas confusões. Se calhar não o avisaram que tinha de ser, sob pena de não haver mais ninguém disponível.

Num passado não muito longínquo, falava-se muito pouco porque se ganhava muito. E, por isso, havia necessidade de falar apenas quando se perdia. Hoje em dia, regista-se o oposto. Só vemos gente a falar quando se ganha, a fim de tentar abafar quem reclama e tentar contrariar aí o peso das derrotas anteriores.



 Bernardino Barros dispara em todas as direcções.

Imagens e escrita não basta. Isso é engolir de forma mansa... Há que dar a cara! Senão, é sair. Haverá quem dê!



Crente. Portista.


Que reacção deveria ter o Futebol Clube do Porto? Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião. 

Um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário