sexta-feira, 15 de julho de 2016

Curta sobre uma notícia: Jornal OJOGO, 15 de Julho de 2016 (e o início do estágio)

A pré-temporada do Futebol Clube do Porto segue o seu rumo e lentamente vamos obtendo notícias sobre os contornos do plantel de 2016/17 desenhado por Nuno Espírito Santo. Alex Telles é reforço para a ala esquerda e já treina às suas ordens. Repito: reforço. Acredito que Alex Telles pode acrescentar qualidade e até variedade ao jogo do Futebol Clube do Porto. Um esquerdino, com abordagem ao jogo bem diferente do concorrente Layún. Mas é outro o esquerdino que merece maior destaque.

Poderia ler-se Varela "muda-se". Mas não.

A presença na capa do jornal OJOGO de Hernâni remete-nos para a página 10, onde André Morais descreve as razões que convenceram Nuno Espírito Santo: empenho, qualidade e a boa época no Olympiakos. Com efeito, o jornalista do jornal OJOGO faz uma observação importante: é dos poucos emprestados que parece poder ficar no plantel. Senão vejamos: Andrés Fernandez e Ricardo têm vida difícil com a concorrência, O mesmo acontece com Diego Reyes, Otávio e Quintero. Já Leandro Silva, Tiago Rodrigues, Sami, David Bruno, Fabiano e Rafa Soares têm o seu destino traçado. Nesse sentido, é fundamental compreender a importância do empréstimo no Futebol Clube do Porto. Infelizmente, pouca para o desenvolvimento de jogadores. São bem mais aqueles que, após empréstimo, não ficam. E a idade ou o destino não parecem condicionar verdadeiramente o resultado. Mas a origem do problema não parece estar no empréstimo, mas sim na contratação. Raro é o caso que, no momento da contratação, aponta-se-lhe falta de qualidade para jogar no Futebol Clube do Porto, e após um empréstimo, surge um jogador diferente, capaz de lutar pela titularidade. Normalmente, não existe evolução, e o empréstimo repete-se até à desvinculação. São vários os que parecem ter entrado nessa situação. Zé Manuel é o último caso. Embora tenha assinado a "custo zero", Nuno Espírito Santo não viu qualidade suficiente no jogador para poder integrar o plantel. Ao contrário, por exemplo, do site do Futebol Clube do Porto, cujas metáforas são originais e promotoras.

"Se o sistema da carta de condução por pontos se aplicasse nos relvados, Zé Manuel já teria perdido muitos por excesso de velocidade. O avançado, que neste defeso deixou o Boavista para reforçar o FC Porto, abraça aos 25 anos o desafio maior de uma carreira construída em crescendo no passado mais recente. E a alta velocidade, claro está, a característica mais vincada de José Manuel Silva Oliveira." 

Zé Manuel já não conta para Nuno Espírito Santo e nem viajou para o estágio na Alemanha. Foram 15 dias de Dragão. Tão depressa chegou como foi. Já Hernâni contrariou a tendência e ganhou o seu lugar. Uma vitória para quem emigra e regressa mais forte. Fico feliz pelo jogador e contente pela decisão de Nuno Espírito Santo. Um activo valioso nos desafios futuros.


A mesma capa, mas em letras pequenas, aponta para uma adaptação já tentada por José Peseiro, em modo de emergência, depois de lesões, castigos e uma lista incompleta de inscritos nas competições europeias. 


Porque ter Layún, Alex Telles, Maxi Pereira e Rafa Soares, para o Futebol Clube do Porto, não parece ser uma possibilidade... Assim poderão ser apenas os primeiros três, e Silvestre Varela ficará de "prevenção" e treinará para se adaptar ao "trabalho defensivo". Por vezes dá a sensação de que força-se a adaptação e a polivalência, em vez de ser apenas um recurso em situação de aperto. Aconselha-se respiração funda quando se imagina Silvestre Varela como defesa direito do Futebol Clube do Porto...


Perde espaço por não ir para estágio. Mas creio que ficamos por aqui.
Acrescenta-se também uma curta sobre Sérgio Oliveira, único representante da equipa A do Futebol Clube do Porto nos Jogos Olímpicos. Tanto no Europeu, como nos Jogos Olímpicos, o Futebol Clube do Porto parece ter lutado para proteger os seus máximos interesses. Desejo a maior das sortes a Sérgio Oliveira no Brasil, e que possa, como capitão desta Selecção, trazer uma medalha para Portugal. Não vou tão longe ao dizer que será preterido quando chegar. Mas não estar presente no estágio dificulta-lhe a vida, com toda a certeza.


Nota para a lista de jogadores que seguiram para estágio na Alemanha. Danilo Pereira deverá juntar-se ao grupo durante o estágio. Sérgio Oliveira e Suk estarão no Brasil. Omar Govea recupera de lesão. Victor Garcia, Ricardo Nunes, José Ángel, Rafa Soares, Francisco Ramos, Zé Manuel, Moussa Marega, Ivo Rodrigues e Gonçalo Paciência foram preteridos desde o início dos trabalhos. Alex Telles e Iker Casillas já chegaram, e viajaram com a equipa.

Centrais ainda por filtrar. Médios a mais. Avançados por escolher. Ainda muito por fazer.

Plantel ainda desequilibrado e a precisar de movimento. Entradas, e saídas. A evolução acontece, mas lentamente. À espera por mais novidades.


Crente. Portista.

Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião. 

Um abraço.

2 comentários:

  1. E mais reforços? Centro da defesa e ataque? Crente sim mas desconfiado...

    ResponderEliminar
  2. Caro Ruca, obrigado pelo comentário.

    Compreendo a sua postura perante a situação actual, e partilho da sua opinião no que toca à necessidade de reforços.

    Julgo que, especialmente este ano, teremos de ter uma especial paciência. Alex Telles é um perfeito exemplo. Foi longo o período de negociação. Por isso, creio que teremos de esperar mais por reforços, infelizmente. Se reparar, no sentido oposto, também vai tudo muito lento e sem pressas.

    Um abraço.

    ResponderEliminar