sexta-feira, 17 de junho de 2016

Curta sobre uma capa: Jornal OJOGO, 17 de Junho de 2016

Confesso que era uma dúvida que me apoquentava e que para a qual queria resposta. O desenho que Nuno Espírito Santo irá privilegiar. Só assim é possível julgar o potencial dos contratados pelo Futebol Clube do Porto. Ora, em entrevista à revista Dragões (que é publicada hoje) destacada pelo Jornal OJOGO, logo a capa retirou-me as dúvidas. E gostei da resposta.
  
Capa do jornal OJOGO de 17 de Junho de 2016.




“O sucessor de Peseiro quer uma equipa convicta de que vai ganhar e aponta o caminho para o sucesso: pressão intensa para recuperar a bola e depois optar pelo caminho mais rápido para chegar à baliza.”

É assim que o jornal OJOGO define o novo Futebol Clube do Porto, que vai mudar! Nuno Espírito Santo deu uma entrevista à revista Dragões, onde afirma que o desenho irá manter-se no clássico 4x3x3, mas com uma dinâmica diferente do desenho privilegiado por Julen Lopetegui.


“Temos identificado o que queremos e o que desejamos. O que vamos conseguir é uma equipa convicta de que vai ganhar. Organizada, porque o princípio básico é a organização, mas ao mesmo tempo com liberdade para fazer desfrutar os nossos sócios e quem vê os nossos jogos e para ganhar.”

Aquele tipo de discurso pomposo e muito superficial sobre o que poderá ser o Futebol Clube do Porto de 2016/17. Não admira... Também está dependente da matéria-prima disponível.


“O modelo de jogo vai basear-se numa organização forte, numa pressão intensa para recuperar a bola e numa construção de jogo com um objectivo: chegar o mais rapidamente possível a zonas onde possamos transformar essa posse em golo. Acredito que a posse por posse não tem sentido, tudo o que é posse tem de ter o sentido de desequilibrar o adversário, para abrir caminhos para chegar à baliza contrária.”


As ideias principais destacadas pelo jornal OJOGO.




O conhecimento mais profundo do campeonato Português será fundamental, em comparação com Julen Lopetegui, último Treinador do Futebol Clube do Porto a começar uma temporada, para a formatação rápida do novo plano táctico do Futebol Clube do Porto. Confesso uma maior paciência do que o adepto normal para a posse de bola e o "mastigar" da partida. É algo que vejo como necessário para consegui o seu controlo. Pela postura que assumimos dentro de campo e pelo adversário que enfrentamos normalmente, sabemos de antemão que vamos ter posse de bola. A ganhar ou a perder. Daí que a sua gestão é fundamental. E tê-la nos pés apenas por ter não é nenhum pecado, a meu ver.

Mas, se esse nunca pareceu ser o objectivo do Futebol Clube do Porto de José Peseiro, o plano de Julen Lopetegui parecia faltar sempre a mudança acima para acelerar a partida no momento certo. Neste momento, não peço posse de bola à Barcelona (de Guardiola), autocarros à frente da baliza à Chelsea (de Mourinho), ou transições rápidas à Real Madrid (de Ancelotti). Quero é ganhar. E já em 2016/17. Pelo menos o campeonato, que Nuno Espírito Santo caracteriza muito bem. 


“Caracteriza-se por a grande maioria das equipas basearam o seu jogo no processo defensivo, quando assim é, logicamente equipas como o FC Porto têm de buscar soluções para contrariar essa tendência geral. Sabemos que, em 90 e tal por cento dos jogos, vamos encontrar este tipo de cenário, é para isso que vamos trabalhar e é para isso que vamos focar a nossa atenção.”

De toda a maneira, assim já é possível compreender que plantel está a construído para a próxima temporada. Por exemplo, se a contratação de Felipe não traz qualquer sombra de dúvida sobre a sua utilidade, pergunto-me que utilidade verá Nuno Espírito em João Teixeira neste desenho. Talvez descaído para o flanco esquerdo. Uma posição que, em abono da verdade, não lhe é estranha, mas também não é onde sobressai mais. Por outro lado, os regressos de Otávio e Josué poderão ser reconsiderados, já que, tal como acontece a Quintero, perdem a sua posição original no desenho do 4x3x3, (para mim Josué será sempre um médio-ofensivo para o centro do terreno), ao contrário de Hernâni, cuja sua utilidade poderá ser acentuada com o desenho e a forma de jogar. Em sentido oposto, se a saída de Brahimi poderá agilizar processos, Herrera seria um jogador extremamente útil nesta forma de pensar o jogo. Confesso estar ávido por mais informação e pelo regresso do Futebol Clube do Porto aos treinos e à competição.


Nota para o início do período de compra e renovações do Dragon Seat, que decorre até 23 de Julho. Numa primeira análise, julgo que tanto a tabela de preços como a divisão do Estádio do Dragão mantêm-se. Irei renovar o meu, evidentemente. #VaiNaFé #GraçaDoEspíritoSanto


Este fim-de-semana há Taça de Portugal em Hóquei. A bola começa a rolar no sábado, às 15 horas. O Treinador Guilhem Cabestany fez a antevisão da partida das meias-finas, frente ao Óquei de Barcelos.






Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário