quinta-feira, 23 de junho de 2016

Com quem Nuno pode contar: sector defensivo



O  sector defensivo foi a zona do terreno onde o Futebol Clube do Porto mais cedeu na temporada passada e onde se melhor reforçou para a próxima temporada, até ao momento. Em especial, a dupla de centrais nunca foi constante, nem nos jogadores escolhidos, nem no desempenho. Uma análise algo consensual entre os Portistas. Por isso o Futebol Clube do Porto já contratou Felipe. Também por isso, o Futebol Clube do Porto tentou Bruno Alves. A comunicação social, nomeadamente a escrita, fez uso das suas capas para palpitar outras possibilidades. Jorge Nuno Pinto da Costa utilizou um desses meios para confirmar a intenção de continuar a reforçar o sector defensivo, mas rejeitando os nomes avançados.

Mas primeiro é necessário olhar para o que Nuno Espírito Santo tem à disposição e depois avançar para possíveis reforços. O Futebol Clube do Porto conta com três centrais no plantel: Chidozie, Marcano e Martins Indi. Lichnovski, Abdoulaye, Maicon e Diego Reyes regressam de empréstimo. Felipe é o novo nome desta lista. E Diego Verdasca, pela época que fez, merece ser escrutinado.

Serão várias as decisões que Nuno Espírito Santo terá de tomar. A meu ver, Martins Indi continuava a ser o melhor central à disposição até à contratação de Felipe. Marcano, Abdoulaye e Diego Reyes poderão ter guia de marcha. O senegalês até poderia ser dispensado. Já o espanhol pode ter mercado no seu país que dê a possibilidade de recuperar o investimento feito há duas temporadas (2.650.000,00€). Quanto a Diego Reyes, a venda poderá ser uma boa oportunidade de fazer render um activo que pouco contribuiu para o sucesso no clube e que já afirmou que não pretende voltar ao Futebol Clube do Porto. Se mal vimos Lichnovksi na equipa A, Chidozie mostrou que precisa de jogar e errar mais para aprender a acertar mais vezes. Ambos deverão ir rodar para outras paragens. Quanto a Maicon, prefiro não me repetir, abrindo um último espaço para falar sobre ele quando for confirmado o seu destino.

Palpite do treinador de bancada:
Ficaria com Indi, Felipe e Diego Verdasca, acreditando na possibilidade da contratação de mais um elemento para o centro da defesa. Recordo o namoro de verão do ano passado foi Rudiger. O falhanço foi tão grande que o Clube deixou de querer outro e não contratou ninguém. Foi o que se viu.

Acredito que não fugirá muito disto. No entanto, se Martins Indi tiver interessados que cubram o investimento feito pelo Futebol Clube do Porto, não vejo grande resistência do Futebol Clube do Porto, promovendo (espero eu) a manutenção de um dos nomes descartados, que poderão ter resolução mais definitiva do que o empréstimo.


O último exemplo onde a defesa do Futebol Clube do Porto voltou a claudicar.


Nas laterais, a realidade mostra-se bem diferente. Maxi Pereira seguro no flanco direito. Layún contratado em definitivo no flanco esquerdo. Já José Ángel está no seu último ano de contrato. Ricardo Pereira poderá eventualmente regressar. Victor Garcia e Rafa Soares é que estarão garantidos na pré-temporada. Na entrevista ao JN, Jorge Nuno Pinto da Costa não palpitou sobre a possibilidade de um reforço para as laterais. Creio que Nuno Espírito Santo terá uma visão semelhante. José Ángel deverá começar a procurar clube. Se Ricardo Pereira continuar no Nice, estarão encontrados os quatro escolhidos para a próxima época. A possibilidade da contratação de Alex Telles ainda não será levada em conta.

Palpite do treinador de bancada:
Continuo sem perceber como é que Maxi Pereira ainda veste a camisola do Futebol Clube do Porto. Pela qualidade que traz e pelo preço. Layún, por exemplo, certamente não cobrará 4.000.000,00€ por época. Veria com bons olhos o desvio destes fundos (são mais TRÊS anos de contrato!) para um reforço da ala esquerda para competir pela titularidade com Rafa Soares. Layún na direita com Ricardo Pereira se possível. Senão, Victor Garcia não envergonha ninguém! Todo este palpite cai por terra se Alex Telles, ou outro lateral, ingressar no Futebol Clube do Porto.

Mesmo assim, Nuno Espírito Santo poderá deixar para tarde algumas decisões. Tanto Rafa Soares como Ricardo Pereira poderão estar presentes nos Jogos Olímpicos. E não é só nessa zona do terreno onde essa competição poderá afectar a preparação do play-off de acesso à Liga dos Campeões.


Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

2 comentários:

  1. Nos centrais gostava de ver o Felipe, Marcano, Verdasca e o Reyes ou outro central novo (contratado). Nao creio que Indi seja solucao, acho-o muito fraco em jogo de cabeca e acho que permitirá um encaixe interessante. O Verdasca para ganhar calo como 4o central, o Marcano porque acho que com uma equipa em seu redor (nao a amostra da época passada) é uma boa opcao e o Reyes é uma incógnita. Preferia vender e contratar alguém melhor porque acho que o Reyes em equipas grandes só se safa em formato de 3 centrais. Nas laterais acho que fica como está, pereira e layún (entendo a vontade por Layún na direita, mas o facto de jogar na esquerda faz com que seja muito imprevisivél no momento ofensivo) e o victor garcia este ano vai comecar a fazer pela vida. Do Rafa espero grandes coisas mas nao acho que vá ter muitas oportunidades. O Ricardo que fique mais um ano, nao acho necessário que o Porto faca uma "a-la Real Madrid". Prefiro o Ricardo a titular indiscutível mais um ano, do que aposta incosistente no Porto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João Silva, obrigado pelo comentário.

      Agradeço a sua opinião, que a respeito. Olha para os centrais, com franqueza, não vejo condições para que o Reyes continue no Futebol Clube do Porto. Não pelo desenho, mas pela sua própria vontade. Quanto ao Marcano, serei franco: não sou fã. Facilmente consegue encontrar clube em Espanha. Daí a minha escolha. De toda a forma, continuamos obviamente à procura de mais um defesa central.

      Nas laterais, mesmo que não seja Alex Telles, é possível que haja um reforço. Talvez até pela possível saída de Layún. Apenas conjuntura, neste momento.

      Em ambas as situações, o melhor seria mesmo o NES vê-los todos no estágio. Pelas normais exigências do mercado, pode eventualmente não ser possível.

      Um abraço.

      Eliminar