sábado, 18 de junho de 2016

A (gigante) responsabilidade de um Provedor











O Futebol Clube do Porto confirmou no site oficial o que Jorge Nuno Pinto da Costa, Presidente do Futebol Clube do Porto, já tinha avançado na entrevista pré-eleitoral, com a eleição de Rodrigo Barros como director na nova direcção do Futebol Clube do Porto e a responsabilidade de ser o Provedor do Sócio. Repito: Provedor do Sócio.

À revista Dragões, Rodrigo Barros indica que o objectivo é "humanizar a relação do clube com os sócios, facilitar a vida do sócio dentro do clube e fazer com que o clube conheça os seus sócios".

Ficaram bem claras as suas responsabilidades e competências: receber, avaliar, atribuir graus de importância e responder às questões enviadas pelos sócios (queixas, recomendações, sugestões, notas diversas, pedidos de informações, etc.). bem como estar disponível para receber contactos dos sócios e prestar-lhes informações e dar seguimento às solicitações colocadas pelos associados e ainda promover e participar em reuniões com as Áreas Operacionais e a Direcção, de modo a discutir as propostas dos sócios.

Aliás, o Futebol Clube do Porto sentiu necessidade de relembrar todos os sócios deste pequeno GRANDE pormenor, que inundará certamente a caixa de correio de e-mail do Provedor:


"O Provedor do Sócio não irá dar seguimento a questões e esclarecimentos sobre contratações, equipas técnicas, dados médicos e dados de atletas."


Sou algo céptico em relação a estas tipo de entidades ou cargos. Não acredito em tamanha pomposidade. Não acredito neste grau de definição. Se é verdade que algumas das responsabilidade de um Departamento de Comunicação se diluem ao longo do tempo, com o foco na comunicação social a roubar atenção a outros campos, a direcção é que terá forçosamente de relembrar os responsáveis do que têm que fazer, e não delegarem, criando uma entidade diferente, que parece apenas ser uma pessoa que está do mesmo lado das outras, e que apenas entra em acção quando as pessoas ao lado dele falham. Porque tudo isto já é feito por outras pessoas.

Acredito num Departamento de Comunicação pró-activo e musculado, dotado de responsabilidades, competências e recursos para responder a todos: comunicação social, redes sociais, sócios e adeptos, bem como outros stakeholders. Não num Provedor, que, em abono da verdade, fazia parte de uma lista que foi eleita de forma democrática, mas escolhido pelo Presidente do Futebol Clube do Porto. Embora na posição de director, deveria ser um representante dos sócios, escolhido numa lista à parte. 

De toda a maneira, se existir uma verdadeira influência da resolução dos problemas dos sócios, vamos a isso! Rodrigo Barros terá quase quatro anos para dar relevo, importância, peso e reputação ao cargo de Provedor. Lembre-se: agora representa a ponte entre mais de 100.000 sócios e o Futebol Clube do Porto. Uma gigante responsabilidade.


A publicação da sua apresentação pode ser vista aqui.



Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário