sexta-feira, 27 de maio de 2016

Recordar o passado, respeitar o presente, construir o futuro

Não me considero uma pessoa nostálgica. Muito menos um adepto que recorda com frequência glórias passadas. Hoje, abre-se uma excepção. Recordemos o mágico jogo de Viena que virou a história do Futebol Clube do Porto.

Recordações de um calcanhar, da primeira "orelhuda" e de um capitão que não a largava.


Uma exibição de gala (mais uma) de Madjer catapulta o Futebol Clube do Porto para o topo do futebol Europeu, com a conquista da primeira Liga dos Campeões. É o culminar de um plano a longo-prazo de Jorge Nuno Pinto da Costa, actual Presidente do Futebol Clube do Porto, e de José Maria Pedroto, Treinador do Futebol Clube do Porto, que foi obrigado a deixar o banco em 1984. Para o seu lugar, entrou o seu pupilo Artur Jorge. E, com ele, finalmente chega o sonho Europeu. E depois, tudo o resto. Como Portista, o meu agradecimento a todos os que contribuíram para esta enorme conquista, que faz hoje 29 anos, mas também para todas as outras que continuam a fazer com o Futebol Clube do Porto seja único em Portugal.

 Confesso que não tinha esta partida na minha "videoteca".

Mas a vida continua. E o Futebol Clube do Porto também. E porque vivemos dos sucessos do presente e não das glórias do passado, devemos respeitar quem melhor nos representa. Neste âmbito, entra a contribuição de Miguel Layún para os aspectos positivos desta temporada. São poucos, é certo. Zero títulos, uma final perdida e 3º lugar no campeonato. Mas há que salientar alguns números positivos que, em parte, nos faz ter esperança num futuro mais vitorioso. 19 assistências, 7 golos e marcador de bolas paradas no Futebol Clube do Porto. Emprestado pelo Watford, rapidamente assumiu o lugar que Cissokho ou José Ángel simplesmente não foram capazes, e demonstrou a sua qualidade logo na primeira partida, com 12 dias de Futebol Clube do Porto. Quer no campeonato, quer na Liga dos Campeões, demonstrou uma especial coragem na progressão com bola e iniciativa ofensiva. Destro a jogar numa posição de esquerdino, não tem como principal acção dar máxima largura e profundidade ao flanco, procurando sempre o cruzamento com o pé trocado ou a incursão interior para armar o remate.


Rei das assistências em Portugal, com 15 passes certeiros para golo. Mas também sabe marcar.


Sendo um dos melhores da temporada, porque é que o Futebol Clube do Porto ainda não accionou a opção de compra de 6.000.000,00€?? Recorde-se que o Futebol Clube do Porto tem apenas até 31 de Maio para o fazer. A partir daí, não será tão fácil convencer o Watford, já haverá certamente outros pretendentes para a sua contratação. O que nos querem esconder? O que é que não estamos a ver deste filme? Vamos PORTO!!! Reage! 


Mais do reacção, foi a excelente acção do Futebol Clube do Porto para cuidar do seu futuro a médio-prazo. Rui Pires, 18 anos, jovem produto das escolhas do Futebol Clube do Porto, tornou-se ontem profissional ao rubricar um novo contrato com o Futebol Clube do Porto. Com efeito, Rui Pires demonstra qualidade e potencial futuro em casa escalão por onde passa. Tanto nos Juniores A, como na UEFA Youth League. Um jovem certamente para acompanhar. De toda a maneira, questiono-me sobre os contornos deste contrato, pelos exemplos anteriores e recentes de Rúben Neves ou André Silva.


Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário