terça-feira, 31 de maio de 2016

Obrigado, José Peseiro.

O comunicado enviado à CMVM onde o Futebol Clube do Porto anuncia a rescisão com José Peseiro.

O comunicado é "curto e grosso". Em abono da verdade, era algo que já se especulava desde os dias que antecediam a final da Taça de Portugal e que a comunicação social foi insistindo, de forma diária, apresentando, sempre que se lembravam, alternativas. José Peseiro já não é o Treinador do Futebol Clube do Porto. Especulei anteriormente sobre a possibilidade de ficar por mais uma temporada, cumprindo o seu contrato, mas a vontade de mudança insistentemente indicada pela comunicação social confirmou-se.

Gostaria apenas de elogiar a coragem demonstrada por José Peseiro em assumir um lugar que muitos rejeitaram. Teve a bravura de assumir o comando de uma equipa, a meu ver, destroçada, desmotivada, desunida e decadente. Infelizmente não foi capaz de reverter a realidade. Os resultados, que já foram analisados anteriormente, foram manifestamente insuficientes, sem melhorias significativas na organização de jogo ou na moral dos jogadores. A final da Taça de Portugal perdida foi apenas um acréscimo, e, em certa medida, o retrato da temporada.

Obrigado, José Peseiro. Todos nós Portistas gostaríamos que alcançasses o sucesso no Futebol Clube do Porto, contrariando todas as dúvidas em torno da tua escolha. Infelizmente, não foi isso que aconteceu, e, por isso, justifica-se este desfecho.


Em jeito de despedida, José Peseiro dirigiu-se a todos os Portistas na sua página pessoal.


Confesso que, neste momento, me sinto menos preocupado, pois este desfecho era, a meu ver, o mais indicado. Mas não deixo de sentir preocupação. O Futebol Clube do Porto despediu o seu Treinador. O terceiro consecutivo. Treinador que foi escolha de Jorge Nuno Pinto da Costa, Presidente do Futebol Clube do Porto e que recolheu unanimidade dentro da SAD do Futebol Clube do Porto. O Presidente do Futebol Clube do Porto afirmou que José Peseiro era o seu Treinador, que ia cumprir o seu contrato e que estava a preparar a temporada 2016/17. Paleio que nunca aceitei e sempre desconfiei. Paleio que retira, pouco a pouco, a credibilidade a um Presidente que está no cargo há 34 anos. Também por isso, a SAD do Futebol Clube do Porto deve assumir total responsabilidade pelo falhanço completo que foi José Peseiro. Exige-se, por isso, uma justificação clara para o seu despedimento na próxima intervenção pública de Jorge Nuno Pinto da Costa.

Com o Futebol Clube do Porto sem Treinador, há que rapidamente apontar um sucessor. Julen Lopetegui foi afastado de forma célere após o empate em casa, frente ao Rio Ave. O Futebol Clube do Porto esteve 12 dias sem Treinador Principal, com Rui Barros a assumir o comando da equipa durante esse período. Desta vez, o Futebol Clube do Porto esperou 8 dias após a derrota no Jamor para afastar José Peseiro. Esperemos que o Futebol Clube do Porto, nomeadamente o seu Presidente, possa rapidamente apontar um sucessor, aprendendo com os erros do passado. Porque cada dia que passa é um dia perdido na preparação de um Futebol Clube do Porto campeão.

Pois, à hora a que escrevo, o Futebol Clube do Porto não tem Treinador. E isso é preocupante.


Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

domingo, 29 de maio de 2016

Agradecido. Retratado. Esquecido. Portista.



Por partes, pois o fim-de-semana trouxe muito tema.


Diziam que era impossível. Eu achava que era difícil. O Futebol Clube do Porto tem muito a agradecer a estes rapazes.

Em primeiro lugar, talvez começar pelo evento mais recente, com a fantástica, e até surpreendente vitória da equipa do Basquetebol do Futebol Clube do Porto. Confesso que percebo muito pouco desta modalidade. No entanto, há que referir a importância desta vitória, bem como a sua relevância para a própria instituição.

Esta conquista tem um rosto principal: Moncho Lopéz. E, especialmente a ele, eu e qualquer Portista deve estar agradecido. Pelos sucessos anteriores, pela sua perseverança aquando da dissolução da SAD do Basquetebol, pela sua coragem em assumir um novo projecto, pelo seu crescimento e pelo alcance da glória no sábado, no Dragão Caixa. Que atitude demonstraram os representantes do Basquetebol do Futebol Clube do Porto. A Moncho Lopéz, e aos seus comandados, um sincero 'obrigado'. A instituição também deverá agradecer a esta modalidade, que, à partida, seria a que menos hipóteses tinha de vencer. Porque estava em reconstrução. Porque veio da ProLiga. E de bicampeão da ProLiga, alcançou de novo o topo da modalidade. Que o Futebol, com mais um investimento milionário, não conseguiu. Onde o hóquei, uma vez mais, fracassou. Que o andebol, depois de tanta glória, vacilou. 


Seria provavelmente quem tinha menos para trabalhar. E foi o único que ganhou. Fonte

O Basquetebol do Futebol Clube do Porto impediu algo que desde de há muito não se repete. O Futebol Clube do Porto ficar em branco nas modalidades. O Basquetebol do Futebol Clube do Porto impediu que isso se repetisse. Obrigado rapazes! Parabéns!!


O Futebol Clube do Porto tinha até 31 de Maio para accionar a opção de compra. Fonte

Outra nota importante do fim-de-semana foi a notícia dada em primeira mão pela edição do Dragões Diário de 28 de Maio de 2016, confirmando da contratação em definitivo de Miguel Layún. A mesma publicação refere que chegou a acordo com o Watford, antecipando a possibilidade de um negócio mais favorável do que o proposto à partida. Talvez não pelo valor, mas sim pela forma de pagamento. Recorde-se que o acordo entre o Watford e o Futebol Clube do Porto previa o pagamento dos 6.000.000,00€ em dois momentos. Metade do valor 15 dias depois do exercício da opção de compra e outra metade a 31 de Julho de 2017. Com ou sem negócio mais favorável, é tempo de me retratar em relação à publicação que fiz anteriormente, congratulando a decisão dos responsáveis do Futebol Clube do Porto em garantir a contratação em definitivo de Miguel Layún. Desconhecemos o futuro de Layún, até porque não descarto a possibilidade de outros clubes estarem interessados nos serviços do jogador. Eu espero que ingresse em definitivo no plantel do Futebol Clube do Porto, tal como este jogador, a confirmar-se os rumores da imprensa.


Uma partilha de uma notícia pelo irmão de Bruno Fernandes.

Em conversa com outros Portistas chega-me a resposta de Layún ao jornal mexicano Récord, onde revela que ainda não assinou nada. Esperemos que rapidamente se dissipem quaisquer dúvidas sobre a sua situação contratual e que o jogador confirme que irá jogar de Dragão ao peito em 2016/17.

"Então e eu pá??" Fonte

Se Miguel Layún não me saía da cabeça, por outro lado, devo confessar-me... esquecido. Quando dei o pontapé de saída na "silly season", com a análise sobre possíveis alternativas a José Peseiro, que, até à hora em que publico, é o Treinador do Futebol Clube do Porto, esqueci-me de um nome que encaixa perfeitamente na estratégia da SAD e que certamente irá agradar a alguém que quer ganhar com isso: Nuno Espírito Santo. Senão vejamos.

Nuno Espírito Santo, 42 anos, antigo guarda-redes do Futebol Clube do Porto, onde ganhou praticamente tudo o que havia para ganhar: 4 campeonatos, 2 Taças de Portugal, uma Taça UEFA, uma Liga dos Campeões e uma Taça Intercontinental durante cinco temporadas no Clube. Retirou-se do futebol profissional em 2010. Em 2012, assumiu o comando do Rio Ave. Na primeira temporada, alcança o sexto lugar no campeonato, às portas da competição europeia. Na temporada seguinte, desilude no campeonato, focando-se nas provas a eliminar, onde alcança duas finais e um apuramento para 3ª pré-eliminatória da Liga Europa. Deu nas vistas em Portugal e foi para o Valência. Na temporada de estreia, alcança o 4º lugar e apura o seu clube para a Liga dos Campeões. Na sua segunda temporada, saiu a meio.

Toda a sua carreira tem uma enorme contribuição de... Jorge Mendes. E é aqui onde pode eventualmente entrar todo o negócio. Os mais atentos saberão que o primeiro grande negócio de Jorge Mendes como agente foi a transferência de Nuno Espírito Santo para o Deportivo da Corunha. Há até quem diga que, em 2014, é Jorge Mendes que fala ao telemóvel no vídeo seguinte.


Sublinhe-se que foi também Jorge Mendes que "colocou" Nuno Espírito Santo a treinar o Valência. Não gostaria de retirar qualidades ao treinador, que, a meu ver, cumpriu com a sua missão na primeira temporada. Já em 2015/16, não foi bem assim. Mas talvez este seja o menos culpado. Gradualmente fui trocando programas desportivos portugueses por espanhóis, muito mais interessantes do que os de cá do rectângulo. A situação de Nuno Espírito Santo ia sendo escrutinada ao longo da temporada, onde começaram a surgir problemas no balneário com jogadores menos influentes, mas insatisfeitos com a sua utilização. A acumulação de resultados menos positivos fruto de um certo tumulto no balneário confirmaram a sua saída. Refira-se que o Valência ainda não soube recuperar e recompor-se após a sua saída.

Da mesma forma que Jorge Mendes apontou Nuno Espírito Santo como treinador do Valência, o empresário poderá fazer como que este seja o próximo Treinador do Futebol Clube do Porto, numa aproximação do Clube ao empresário que, como último negócio com o Clube, trouxe Adrián Lopéz do Atlético de Madrid. Embora o Presidente do Futebol Clube do Porto Jorge Nuno Pinto da Costa tenha confessado durante uma entrevista ao Porto Canal ter perdido parte da confiança que tem em Jorge Mendes, é também possível que o tumulto existente entre dois homens influentes do Futebol Clube do Porto, a saber o Administrador e vice-presidente Antero Henrique e o não-Administrador nem vice-presidente e apenas empresário e filho do Presidente Alexandre Pinto da Costa, possa fazer com que o aconselhamento sobre quem treinará o Futebol Clube do Porto na próxima temporada possa vir de outros lados. Conjuecturas, para já. Mas que, quem sabe, se poderão tornar uma realidade...

Atenção, isto não passa de mais um palpite da "silly season" na tentativa de fomentar um debate saudável, bem como uma reflexão mais do que necessária em torno de um tema tão fundamental para um futuro vitorioso. Continuo a dizer que não sei quem será o próximo Treinador do Futebol Clube Porto. Há quem diga que "x" treinador viajou para Portugal esta semana, que "y" treinador está hospedado num hotel aqui no Porto, que "z" treinador está a tentar desvincular-se do clube onde está. Rumores, e mais rumores. Mais importante do que isso é o facto de o actual Treinador do Futebol Clube do Porto continuar a ser José Peseiro. Há quem diga que Jorge Nuno Pinto da Costa não se quer precipitar. Com efeito, não se precipitou com Layún e foi mais do que a tempo para garantir a sua permanência no Futebol Clube do Porto. No entanto, cada dia que passa, é, na minha perspectiva, um dia perdido na preparação da próxima temporada. Que, até informação diferente, é José Peseiro que a prepara. E é preocupante....

Tendo em conta o seu recente histórico, é outro nome que me agrada, mas não é o meu favorito.

Jorge Nuno Pinto da Costa foi recebido de forma habitual em Nogueira de Regedoura.

Mais do "rumorista", acima de tudo, Portista, evidentemente. Mas não parvo. Isto porque o discurso feito por Jorge Nuno Pinto da Costa, por muito inspirador que possa ter parecido, este tom já tem demasiado histórico, principalmente no Futebol Clube do Porto. O Presidente do Futebol Clube do Porto aproveitou o jantar de homenagem aos Heróis de Viena para novamente hiperbolizar o discurso unir os Portistas em torno de um inimigo comum: o exterior. Funcionou no passado, e ainda funciona para muitos no presente. Tenham paciência mas, a meu ver, não se invoca a defesa do Futebol Clube do Porto nos jantares de filiais, mas sim, como fez e muito bem, responder directamente ao jornal A Bola, quando, na sua capa, decidiu noticiar a possível saída de Antero Henrique do Futebol Clube do Porto. Já o DN, que foi o primeiro a falar sobre a matéria no dia anterior, ficou sem resposta, abrindo a possibilidade para que A Bola atacasse novamente o Futebol Clube do Porto, enquanto não tem notícias de contratações para o Benfica.

É um facto que o Futebol Clube do Porto passou por temos difíceis, anteriores à sua ascensão como Presidente, e que, em pouco tempo, passámos de um Clube regional ao Campeão Europeu. De toda maneira, o Portistas está cada vez mais atento e alertado para discordâncias internas que, em parte, justificam os fracos resultados de uma equipa de Futebol onde o investimento é cada vez mais avultado. 

É tempo de actuar Presidente. Só os problemas que os Portistas sentem que existem dentro do Futebol Clube do Porto é que podem provocar desunião, e não os palpites dos outros. Sim, porque somos Portista, mas não parvos.


Agradecido. Retratado. Esquecido. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião. 

Um abraço.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Recordar o passado, respeitar o presente, construir o futuro

Não me considero uma pessoa nostálgica. Muito menos um adepto que recorda com frequência glórias passadas. Hoje, abre-se uma excepção. Recordemos o mágico jogo de Viena que virou a história do Futebol Clube do Porto.

Recordações de um calcanhar, da primeira "orelhuda" e de um capitão que não a largava.


Uma exibição de gala (mais uma) de Madjer catapulta o Futebol Clube do Porto para o topo do futebol Europeu, com a conquista da primeira Liga dos Campeões. É o culminar de um plano a longo-prazo de Jorge Nuno Pinto da Costa, actual Presidente do Futebol Clube do Porto, e de José Maria Pedroto, Treinador do Futebol Clube do Porto, que foi obrigado a deixar o banco em 1984. Para o seu lugar, entrou o seu pupilo Artur Jorge. E, com ele, finalmente chega o sonho Europeu. E depois, tudo o resto. Como Portista, o meu agradecimento a todos os que contribuíram para esta enorme conquista, que faz hoje 29 anos, mas também para todas as outras que continuam a fazer com o Futebol Clube do Porto seja único em Portugal.

 Confesso que não tinha esta partida na minha "videoteca".

Mas a vida continua. E o Futebol Clube do Porto também. E porque vivemos dos sucessos do presente e não das glórias do passado, devemos respeitar quem melhor nos representa. Neste âmbito, entra a contribuição de Miguel Layún para os aspectos positivos desta temporada. São poucos, é certo. Zero títulos, uma final perdida e 3º lugar no campeonato. Mas há que salientar alguns números positivos que, em parte, nos faz ter esperança num futuro mais vitorioso. 19 assistências, 7 golos e marcador de bolas paradas no Futebol Clube do Porto. Emprestado pelo Watford, rapidamente assumiu o lugar que Cissokho ou José Ángel simplesmente não foram capazes, e demonstrou a sua qualidade logo na primeira partida, com 12 dias de Futebol Clube do Porto. Quer no campeonato, quer na Liga dos Campeões, demonstrou uma especial coragem na progressão com bola e iniciativa ofensiva. Destro a jogar numa posição de esquerdino, não tem como principal acção dar máxima largura e profundidade ao flanco, procurando sempre o cruzamento com o pé trocado ou a incursão interior para armar o remate.


Rei das assistências em Portugal, com 15 passes certeiros para golo. Mas também sabe marcar.


Sendo um dos melhores da temporada, porque é que o Futebol Clube do Porto ainda não accionou a opção de compra de 6.000.000,00€?? Recorde-se que o Futebol Clube do Porto tem apenas até 31 de Maio para o fazer. A partir daí, não será tão fácil convencer o Watford, já haverá certamente outros pretendentes para a sua contratação. O que nos querem esconder? O que é que não estamos a ver deste filme? Vamos PORTO!!! Reage! 


Mais do reacção, foi a excelente acção do Futebol Clube do Porto para cuidar do seu futuro a médio-prazo. Rui Pires, 18 anos, jovem produto das escolhas do Futebol Clube do Porto, tornou-se ontem profissional ao rubricar um novo contrato com o Futebol Clube do Porto. Com efeito, Rui Pires demonstra qualidade e potencial futuro em casa escalão por onde passa. Tanto nos Juniores A, como na UEFA Youth League. Um jovem certamente para acompanhar. De toda a maneira, questiono-me sobre os contornos deste contrato, pelos exemplos anteriores e recentes de Rúben Neves ou André Silva.


Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Curta sobre uma capa: A Bola em modo “Silly Season”, 26 de Maio de 2016

A "Silly Season" mal abriu e o jornal A Bola foi capaz de ir mais além do que alguma vez eu esperaria. Normalmente, esperamos uma largo cardápio de escolhas para o treinador, depois uma lista gigante de possíveis contratações. Umas pelo seu valor futuro, outras por preferências pessoais de quem assume o comando, e, pelo meio, aquele negócio impossível que faz sonhar qualquer adepto. Deste tipo de palpite, nunca tinha visto...


Capa do jornal A Bola, 26 de Maio de 2016

Apenas para a crítica é que o jornal A Bola dedica a sua capa ao Futebol Clube do Porto. O problema é que, em abono da verdade, a redacção deste jornal nem sequer consegue ser original, já que, no dia de ontem, foi o jornal DN que avançou com esta possibilidade, tanto na edição online como na escrita. Se uma palhaçada do jornal A Bola toda a gente espera, do DN nem tanto... 

Notícia do DN de 25 de Maio de 2016

Agora até os dirigentes/administradores têm direito "silly season". Bruno Pires e Carlos Nogueira assinam a notícia que ocupa uma página inteira na edição de hoje do DN. Ambos benfiquistas declarados, decidiram atacar a "estrutura" da SAD do Futebol Clube do Porto, questionando a sua estabilidade e ponderando sobre a sua união. Ora, agora é tempo de ser eu a questionar a fonte e o trabalho de investigação. Certo é que uma rápida pesquisa pela internet trará resultados sobre possíveis divergências entre Antero Henrique, Vice-Presidente do Futebol Clube do Porto e Administrador da SAD, e Alexandre Pinto da Costa, um empresário que não tem qualquer responsabilidade no Futebol Clube do Porto ou na SAD do Futebol. No entanto, daí até invocar que Antero Henrique pondera sair da estrutura do Futebol Clube do Porto depois de 16 anos ao serviço do Clube é apenas um exercício de "achincalhamento"... No meio disto, quem sai mal é o DN.

A verdadeira intenção desta publicação não é defender Antero Henrique. É defender o Futebol Clube do Porto como instituição. Recorde-se que Antero Henrique foi eleito de forma democrática como Administrador da SAD e depois como Vice-Presidente do Futebol Clube do Porto. Não é uma questão de concordar ou discordar com a sua eleição ou com as suas decisões, mas sim relembrar a legitimidade que Antero Henrique tem como profissional eleito de assumir a responsabilidade da tomada de decisão. O seu escrutínio fica para os sócios ou accionistas, e não para os jornais. Ora, isso não acontece com Alexandre Pinto da Costa, que, pese embora as suas declarações sobre a sua influência zero no Futebol Clube do Porto, há quem diga que até sonhe com a "cadeira de sonho" e suceder a seu pai na Presidência do Futebol Clube do Porto. 

O problema está aqui. Ataca-se o Futebol Clube do Porto como se quer e a que horas do dia se apetece sem um pingo de respeito. Este palpite exigia uma resposta assertiva por parte do Futebol Clube do Porto que fosse mais do que o ineficaz e insuficiente Dragões Diário. E aconteceu, através através de um comunicado no site oficial do Futebol Clube do Porto. Saúdo e aplaudo!


Destaco esta parte do comunicado.

O que ainda falta é uma atitude de Jorge Nuno Pinto da Costa. Nomeadamente afastar Alexandre Pinto da Costa de qualquer decisão ou negócio relacionado com o Futebol Clube do Porto. Algo que duvido que se realize, para mal do próprio Futebol Clube do Porto. Se ele não faz parte da SAD, porque é que de forma sistemática mete o bico em cada negócio que o Futebol Clube do Porto faz? Julgo que os sócios, os verdadeiros shareholders do Futebol Clube do Porto, já se manifestaram de forma suficiente para que os seus responsáveis percebam o que está mal. 


Sim, é uma capa do Correio da Manha. De 31 de Março de 2016.
Mas as provas deixadas pelo Football Leaks são extensas e inegáveis.

Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

“Silly Season” I: o (próximo) Treinador do Futebol Clube do Porto

Muita oferta, poucas certezas.

Não tenho qualquer conhecimento sobre engenharia cívil, há quem diga que uma casa não se começa pelo telhado. Parece-me algo relativamente óbvio.

Comecemos então pela base, pela fundação, pelos alicerces. Temos uma Administração da SAD e uma Direcção do Clube recentemente eleitas, legítimas e profissionais com competências e responsabilidades definidas. Falta-nos agora um treinador principal.

Capa do jornal OJOGO de 24 de Maio de 2016.
À altura em que escrevo, o Futebol Clube do Porto tem Treinador. Chama-se José Peseiro e tem contrato por mais uma temporada, assinado em Janeiro, aquando do seu ingresso no Futebol Clube do Porto. O público em geral não tem conhecimento das cláusulas deste contrato. Que prémios poderia José Peseiro receber. Se estava sujeito a determinado sucesso para continuar no Futebol Clube do Porto. Se pode prolongar o contrato. Não sabemos. Não temos conhecimento. Nesse sentido, há que trabalhar com o que é certo: José Peseiro tem 12 meses de contrato. Na minha opinião, para a construção de um futuro vencedor, não os deve cumprir e deve terminar de imediato a sua ligação com o Futebol Clube do Porto. Procura-se um "técnico jovem, enérgico e ambicioso" para o substituir, segundo o jornal OJOGO.

Vamos às alternativas.

Campeão pelo Basileia e pelo Maccabi Tel Aviv. Treina a Fiorentina. Fonte

É o principal favorito dos meios de comunicação social. Nacionais e internacionais. Pessoalmente, ou como adepto, não tenho nada contra Paulo Sousa. Reconheço-lhe competências técnicas, realizando um trabalho sóbrio e respeitável nos clubes onde conquistou troféus: Videoton, Maccabi Tel Aviv e Basileia. Terminou a Serie A desta temporada em 5º no comando da Fiorentina.

Num olhar mais frio para os números, as equipas de Paulo Sousa parecem padecer dos mesmos problemas das de José Peseiro: sofrem muitos golos. Mesmo quando são equipas que dominam a sua realidade futebolística nacional. Senão vejamos. Paulo Sousa foi campeão pelo Maccabi Tel Aviv com 84 pontos (26-6-4), mais 18 que o segundo classificado, e marcou 76 golos e sofreu 30. O segundo classificado marcou apenas 56 golos, mas sofreu 33. Na época seguinte, já no Basileia, voltou a ser campeão com 78 pontos (24-6-6), mais 12 que o segundo classificado e marcou 84 golos e sofreu 41. O segundo classificado marcou apenas 63 golos, mas sofreu 45. Diferenças que indicam que as equipas de Paulo Sousa dão prioridade e têm sucesso no ataque, mas demonstram permeabilidade na zona defensiva. Curiosamente, seria a sua primeira experiência no futebol Português.

A imprensa italiana afirma que o Português irá continuar na Fiorentina, algo que foi anunciado durante o mês de Maio, que pelo próprio clube, quer pelo treinador.  No entanto, os rumores do seu ingresso no Futebol Clube do Porto continuam. A revista France Football diz que é o preferido de Alexandre Pinto da Costa, o que adiciona uma maior probabilidade à sua contratação e uma indicação adicional ao poder e influência que o empresário e filho do Presidente detêm sobre a SAD do Futebol Clube do Porto. Estamos a falar de alguém que escapa a qualquer escrutínio, quer de sócios ou accionistas. Mas é de treinadores que estamos aqui para falar… Duvido que a Fiorentina abra mão do seu treinador.


Vencedor da Taça de Portugal pelo Sporting, e Campeão Nacional pelo Olymipakos. Fonte

Uma opção que seria a preferida de… Antero Henrique, segundo a revista France Football. Viria certamente motivado em querer alcançar mais do que a Taça de Portugal com o Sporting e corrigir a sua imagem depois do seu despedimento polémico do mesmo clube. Rapidamente assumiu o comando do Olympiakos e dominou a temporada na Grécia com a conquista do Campeonato Nacional, com 28 vitórias em 30 jogos. Perdeu a final da Taça e não passou aos oitvaos-de-final da Liga dos Campeões por diferença de golos. Os números são muitos interessantes para os recursos que teve à disposição. Se na Grécia marcou demais sofreu poucos golos, a eliminação frente ao Anderlecht da Liga Europa será certamente o ponto negativo da temporada. 

Marco Silva tende a montar equipas consistentes, mas que premeiam o equilíbrio no jogo, com prioridade no resultado. O seu Estoril, que terminou o campeonato de 2013/14 no 4º lugar é o exemplo disso mesmo. 54 pontos, 15 vitórias, 9 empates e 6 derrotas, 42 golos marcados e 26 golos sofridos. O seu Sporting da temporada seguinte não foge a essa postura. 76 pontos, 22 vitórias, 10 empates e apenas 2 derrotas, 67 pontos marcados e 29 sofridos. As suas equipas sempre preferiram atacar, mas reconhecem o momento de transição defensiva e resguardam-se quando é necessário manter um resultado.

Na minha óptica, creio que seria um nome que rapidamente iria reunir o consenso dos Portistas, sendo um treinador com experiência no futebol Português, com provas dadas e conquistas. É verdade que saiu do Sporting "a mal". Mas também nunca percebi o porquê de ter saído. Diz-se por aí, "à boca pequena", que favorecia os jogadores que eram representados pelo seu empresário. A saber Jefferson, titular indiscutível, e Maurício, que saiu a meio da temporada. Na minha óptica, foi apenas uma vítima da actual guerra da segunda circular. O Olympiakos estará certamente satisfeito com o trabalho de Marco Silva. Daí que o Futebol Clube do Porto terá de convencer o clube grego, à força do dinheiro, a abrir mão do seu treinador. Além disso, de acordo com a rescisão de Marco Silva com o Sporting, Marco Silva terá de pagar 1.000.000,00€ para poder treinar o Futebol Clube do Porto, valor que provavelmente também sairá dos cofres da SAD do Clube.

Confesso, é o meu favorito...


Depois de fazer regressar o Sporting às competições europeias, assinou pelo Monaco. Fonte

Outro nome avançado durante o período em que procurava pelo substituto de Julen Lopetegui. Vai registando presenças curtas nos clubes por onde passou. E sempre a subir. As duas temporadas no Beira-Mar despertaram a atenção do Braga, que apurou para o play-off da Liga dos Campeões. Manteve o domínio do Olympiakos, onde ficou apenas por seis meses, antes de ingressar no Sporting. Na única temporada ao comando do clube, devolveu-o à Liga dos Campeões. Na época seguinte, assinou pelo AS Monaco. Alcançou por duas vezes o terceiro lugar no Campeonato de França. 

A consistência, coesão e cepticismo reinam nas equipas de Leonardo Jardim. Mesmo resultadista, pede aos seus orientados para que tenham a iniciativa, estruturando equipas que pretendem ter a posse de bola, mas demonstram muita cautela no processo ofensivo. Tem o dom de rapidamente incutir as suas ideias de jogo nos jogadores que treina. O seu rápido sucesso pelos clubes que passou o comprovam. 

A imprensa francesa fez eco de rumores de que o Futebol Clube do Porto estará à espera da decisão do AS Monaco sobre a sua continuidade para tomar uma decisão. Existe obviamente dois senãos. Primeiro, o despedimento de Leonardo Jardim poderá custar ao AS Monaco 6.000.000,00€, um número que poderá desaparecer caso o interesse do Futebol Clube do Porto se confirme. Por outro lado, o seu regresso a Portugal obrigará ao pagamento de 12.500.000,00€, conforme o contrato estabelecido aquando da sua transferência para o Principado. Há quem diga que era o escolhido de Jorge Nuno Pinto da Costa para suceder a Julen Lopetegui, em Janeiro, no comando do Futebol Clube do Porto. Pela qualidade do trabalho, é uma opção credível. Pelos números envolvidos, não creio que seja considerado como opção.


Bicampeão pelo Futebol Clube do Porto. Actualmente treina o Fenerbahçe. Fonte
Um regresso de um homem que conhece os cantos de uma casa onde, em abono da verdade, não tinha razão para ter deixado. Vítor Pereira nunca foi amado pelos Portistas ou pelo Estádio do Dragão. No entanto, recordo-me de estar no Estádio do Dragão durante os festejos do "Bicampeonato" após a vitória frente ao Sporting, e os mesmos que o assobiavam e insultavam das bancadas foram aqueles que abraçaram e elogiaram Vítor Pereira na sua "volta olímpica". Na época seguinte, voltaram à cassete antiga. O Futebol é ingrato...

As experiências fora de Portugal não podem ser todas consideradas como um sucesso. Após a saída do Futebol Clube do Porto, assume o comando do Al-Ahli Saudi FC, clube da Arábida Saudita. Faz 3º no Campeonato e chega à final da King Cup. Fica apenas uma temporada, com destaque para célebres conferências de imprensa em inglês, juntando-se a outros exemplos de Portugueses cuja comunicação em terras Árabes foram diferentes do habitual. Em Janeiro de 2015 aceita o convite do Olympiakos, que tinha perdido a liderança do campeonato, e alcança a "dobradinha". Com a chega de Marco Silva, assume o comando do Fenerbahçe, que fez um investimento avultado no seu plantel. Não consegue fazer melhor que 2º, atrás do Besiktas. Neste momento, mantém-se como treinador do clube Turco.

Não tenho a certeza se Vítor Pereira quererá regressar a Portugal ou ao Futebol Clube do Porto. No entanto, teríamos a certeza que o Treinador do Futebol Clube do Porto seria um Portista, um homem da casa, conhecedor das suas manhas e entranhas. Exigiriam certamente mais responsabilidades e influência do que o período anterior em que esteve no Futebol Clube do Porto. Mas recorde-se que, de momento, não existe no plantel Hulk, James, Moutinho, Mangala, Otamendi, ou algo do género. 


José Peseiro a viver as incidências do jogo como qualquer outro adepto. Nervos. Muitos nervos.

Exactamente! Uma das alternativas a José Peseiro pode ser... José Peseiro. Primeiro, porque tem contrato, segundo porque Jorge Nuno Pinto da Costa, Presidente do Futebol Clube do Porto, insistiu várias vezes que está a preparar a época 2016/17 com José Peseiro. O actual Treinador do Futebol Clube do Porto dispensa as apresentações dos anteriores. Todos sabemos quem é, de onde vem, e o que fez. Assumiu uma equipa, a meu ver, destroçada, desmotivada, desunida e decadente. Recordem-se os números pelo Futebol Clube do Porto: 22 partidas, 13 vitórias, 8 derrotas, e apenas 1 empate, curiosamente na Final da Taça de Portugal. O desempate por grandes penalidades não nos sorriu. 38 golos marcados e 26 sofridos. Iniciativa constante de jogo. Miserável organização defensiva. Perseverança na procura da cambalhota do marcador exigida em praticamente todos os jogos, depois de sofrer antes de marcar. Algo raramente necessário com Lopetegui, mas praticamente nunca visto.

Só por uma casmurrice do tamanho do seu palmarés é que o Presidente do Futebol Clube do Porto Jorge Nuno Pinto da Costa irá segurar José Peseiro e dar-lhe o comando do Futebol Clube do Porto por mais uma temporada. Respeito a coragem que José Peseiro demonstrou em assumir um desafio claramente difícil e deixar um lugar mais cómodo e, quem sabe, mais lucrativo, no Al-Ahly. É tempo de admitir que não teve sucesso, não demonstrando capacidade de reconstruir, reestruturar e motivar o actual plantel, nem registar melhorias claras ao longo do ano. Os resultados falam por si. Mais não, por favor... 

No entanto, no meio do desentendimento dos galos da SAD pelo poleiro, quem sabe se Jorge Nuno Pinto da Costa não se decidirá pela manutenção do actual Treinador do Futebol Clube do Porto? Nervos... Muitos nervos...


Opções descartadas, por agora...

Nomes é o que não faltam para assumir o banco do Futebol Clube do Porto. Mas existem opções fortes e credíveis que estão desde já descartadas. A primeira, muito alimentada pela imprensa, foi Jorge Jesus, que rapidamente aproveitou a situação para ganhar ainda mais influência dentro do Sporting e renovar por mais uma temporada. André Villas Boas despede-se do Zenit e já afirmou que não aceita mais convites de clubes até 2017. Sérgio Conceição disse não em Janeiro e, por isso, nem deve chegar a ser considerado. Luís Castro, Campeão da Segunda Liga com a equipa B do Futebol Clube do Porto, poderá rumar a outras paragens, a fim de encontrar novos desafios na sua carreira profissional. Domingos Paciência parou de treinar e dedica-se ao comentário. Já Jorge Costa poderá voltar a Portugal, mas não ao Futebol Clube do Porto. 

Repito o que disse anteriormente: não faço a mínima ideia de quem será o Treinador do Futebol Clube do Porto. O jogo frente ao Oliveira do Douro já aconteceu e ainda não temos novidades, ao contrário daquilo que a capa do jornal OJOGO de ontem prometia. Claro que tudo amanhã pode mudar. O Caro Leitor pode já esta a ler esta publicação com a informação de que o Futebol Clube do Porto já prescindiu dos serviços de José Peseiro e já escolheu o seu sucessor. Hoje, o JN apenas põe José Peseiro fora do clube. O jornal OJOGO dá destaque a Marco Silva. A Bola está mais do lado de Leonardo Jardim. Já o Record, não quer ser específico...  Mas, a esta hora, é isto. É José Peseiro. E é preocupante...


Nota: espero, pelo menos, que o Treinador escolhido tenha a mesma interpretação que eu desta magnífica demonstração de talento futebolístico de Moussa Marega, que ocorreu durante o amigável de ontem, frente ao CF Oliveira do Douro, na inauguração do seu novo estádio. Futebol, em estado puro.



Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

terça-feira, 24 de maio de 2016

“Silly Season”: o preâmbulo


Serve a presente publicação para dar início àquela época do ano que eu pessoalmente aprecio: a “silly season”. Certo é que não existe uma definição no dicionário que esclareça este conceito. No Reino Unido, diz-se que é um período de meses por volta do Verão em que surgem um conjunto de notícias sem qualquer sentido ou credibilidade. Na América do Norte, é mais visto como um período onde simplesmente existem poucas notícias. No Futebol, o termo é associado ao período em que não existe competição e, por isso, as principais notícias são especulativas e sobre transferências de jogadores ou até mesmo de treinadores.

Certo é que, neste período, estas publicações podem ter mais do que um objectivo em mente. A informação deveria ser a única. Antes de um negócio estar fechado, é certo que existe um período negocial, e por isso essa mesma discussão poderá ser noticiada. Mas há quem frequentemente vá mais além.

Há quem constantemente escreva notícias sem sentido apenas com o propósito de chamar à atenção, e vender (A Bola contrata três plantéis diferentes por temporada para o Benfica. E quem não tem saudades do programa “Mais Transferências”?).

Há quem repita este processo para dar atenção a determinado clube ou competição (Mesmo exemplo: A Bola e o Benfica).

Há quem simplesmente escreva um elogio desmesurado para potenciar o valor de mercado de determinado jogador (Renato Sanches, por exemplo).

Ou até para lançar o debate sobre determinado jogador, na tentativa de desestabilizar e “ajudar” à sua saída (OJOGO tentou-o com Casillas há pouco tempo. Será desta que o Luisão vai para a Juventus?).

Confesso que, por si só, não odeio a "silly season". Primeiro porque anima um período de tempo onde apenas joga a Selecção Nacional e não há Futebol Clube do Porto. E a Selecção Nacional aborrece-me. Depois, porque rapidamente se “descobre a careca” e se mancha a credibilidade a quem apenas manda palpites e chama-lhe de “informação”.

Quem procurou, até ao momento, no Porta 26, apenas análise e comentário, verá um tipo de artigos bem diferente. Além da reacção normal à realidade, será também dado espaço a verdadeiros palpites. A diferença é que aqui chamam-se as coisas pelos nomes nem se cobra . Por norma, não tenho informação pura. Mas mesmo que me chegue aos ouvidos, será difundida sempre de forma gratuita, promovendo sempre o debate. Por isso mesmo, as publicações sujeitas ao tema “silly season” serão mais especulativas ou opinativas, e não tão analíticas ou informativas.

O primeiro tema desta “silly season” será, obviamente, o treinador. Evidentemente que, perante o calvário em que nos encontramos, só a união dos Portistas poderá contribuir de forma positiva reverter este cenário sem conquistas que se vai prolongar de certeza por mais 12 meses. Por isso mesmo, o próximo Treinador do Futebol Clube do Porto, pedra basilar para o sucesso imediato, terá de reunir consenso alargado entre os Portistas, algo que José Peseiro e Julen Lopetegui não foram capazes de conseguir. O mesmo terá de ocorrer dentro da SAD, o que também não tem acontecido, com cada Administrador a defender um nome até Jorge Nuno Pinto da Costa, Presidente do Futebol Clube do Porto, tomar uma decisão final. O problema é que isto depois se repercute nas contratações, com o polémico desentendimento entre Alexandre Pinto da Costa (que nem sequer é da SAD!!!) e Antero Henrique a influenciar quem ingressa ou sai do Futebol Clube do Porto, criando uma instabilidade desnecessária que, até ao momento, Jorge Nuno Pinto da Costa ainda não quis resolver. “More on that later”.

A meu ver, existe um tempo para tudo. A “silly season” tem o seu, e já começou. Para mim terá o seu fim no dia do jogo de apresentação.


Céptico. Preocupado. Portista.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Notas avulsas sobre o fim-de-semana


24 horas depois de mais um desaire, são tantas as pequenas notas que gostaria de deixar que realmente, por si só, merecem apenas uma publicação.

A primeira nota vai para o vídeo do momento, em que dá a ideia de que José Peseiro não é cumprimentado por Jorge Nuno Pinto da Costa. Na minha interpretação das imagens, é completamente mentira. O olhar "frio e de desprezo" já pode ser interpretado de várias formas. Nem sei se, nesse altura, José Peseiro estaria a olhar para o Presidente do Futebol Clube do Porto. Mas a existência de um cumprimento parece-me óbvia. Claro que o comentário da CMTV será naturalmente tendencioso. Mas deixo o vídeo aqui para que dissipar dúvidas e retirar conclusões.



Segunda nota para o verdadeiro "dia não" de Helton, que parabeniza a exibição da equipa mesmo depois do desaire na final. É verdade que pecámos acima de tudo num sector do terreno. E ele fez parte desse mesmo falhanço. Se poderia ter elogiado o caminho até à final? Sim. Agora deixar um elogio ao que foi feito em campo? Não posso aceitar... No espírito do lema "perdem e ganham como equipa", mesmo que tenha sido um apenas a cometer o erro, então todos erraram. E por isso não é possível deixar uma elogio ao Futebol Clube do Porto pela prestação na final da Taça de Portugal. Este não pode ser o melhor do Futebol Clube do Porto.

Momento de conforto de quem foi companheiro durante uma temporada. Relembro este afirmação importante
«No dia 19 de junho, eu tenho encerramento e vocês, da comunicação social, vão ficar a saber o que eu vou fazer para a frente». Deixo para cada um interpretar. 


Terceira nota para Josué. Como profissional, cumpriu exactamente o que lhe foi pedido. Marcou um golo e deu tudo o que tinha em campo pela camisola que representa. Apenas falo sobre o jogador porque, ao que parece, os adeptos do Futebol Clube do Porto não foram, nem estão a ser propriamente cordiais com o jogador. O facto de ter chorado após o golo é uma reacção pessoal, nada mais. Por isso, também será normal alguns assobios quando tentou queimar tempo na altura da substituição. Nos festejos, esteve como qualquer outro jogador que representa o Braga a aproveitar o momento e a saborear a conquista. O que não me parece nada aceitável é que se critique tudo isto por ser jogador e adepto do Futebol Clube do Porto. Mística vê-se de Dragão ao peito, coisa que vai faltando no plantel do Futebol Clube do Porto. Quando se representa outro emblema, há que soar e batalhar por ele. Foi o próprio Futebol Clube do Porto que decidiu prescindir, ainda que por um curto período, dos serviços do jogador. Não esperem que actue da mesma forma que actuava de Dragão ao peito.


Quarta nota para o basquetebol, que foi ganhar a Lisboa este fim-de-semana o primeiro jogo da final do Campeonato Nacional da modalidade e traz o resultado de 1-1 para tentar, à melhor de 5 jogos, decidir a competição a nosso favor. Só por si, já é de elogiar o que a modalidade conseguiu em tão pouco tempo. Temos a possibilidade de, no próximo fim-de-semana e na nossa própria casa, ganhar um troféu que nos escapa desde 2011. Boa sorte rapazes!!!


Para terminar, exaltar a grande maturidade dos sub-17 Portugueses. Uma menção especial para os Campeões Europeus Diogo Costa, Diogo Dalot, Diogo Queirós, Diogo Leite e João Lameira, jogadores das camadas jovens do Futebol Clube do Porto. O futuro tem qualidade e já soma conquistas.


Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.