sexta-feira, 8 de abril de 2016

“Um murro na mesa cheio de carácter”: A entrevista de Jorge Nuno Pinto da Costa ao Porto Canal.


Imagens desta publicação: Porto Canal.

O Presidente do Futebol Clube do Porto decide dar nova entrevista ao Porto Canal, em resposta à crise do clube e na ressaca da derrota frente ao Tondela, em casa. Há que, por isso, analisar os principais temas abordados. Com Notas num bloco de notas do Porto Canal e gravata de prata, a entrevista começou.
  
Compreende a contestação registada no Futebol Clube do Porto 0x1 Tondela. Ele próprio ficou envergonhado com a exibição, dizendo que foi a pior de que tem memória. Já sobre os petardos, nem ouviu. As tarjas foram mais para a foto do que outra coisa. Mas deixa cair a “bomba” de que Lucho Gonzalez tem casa para vir terminar a carreira cá.
- No Futebol Clube do Porto? A ver vamos… A sua saída ainda está por explicar. Tem carácter, pelo menos… Mas não chega. Já agora, acredite-se ou não, já vi exibições pior do que a da última segunda-feira.

A recandidatura vem para dar a volta ao que está mal, e não pelo seu histórico. A “radiografia” está feita, e há que corrigir os erros.
- Não os referiu, mas existem e estão identificados. O Presidente já fez muitos e continua a insistir neles. Primeiro pela administração da SAD eleita para o próximo quadriénio, depois pela equipa que apresenta para a direcção do clube, por negociar com amigos e família algo que não é só dele.

O Presidente do Futebol Clube do Porto diz que o clube é vítima da sua própria transparência e que o capital próprio da SAD é positivo.
- Presidente, só alguém que quer esconder algo é que lhe afecta a transparência. Claro que a comissão é dada a um agente ou a um intermediário. Se é verdade que isso é mesmo assim, o que é facto é que o Futebol Clube do Porto usa e abusa dos intermediários. Responda ao que é mais importante: vamos, ou não, conseguir cumprir com o fair-play financeiro da UEFA?? Já agora, explique como se fez esse aumento do capital.

"Eu não vejo blogs nem Facebooks. (...) Mas estou estávamos a falar disso"
Saca dos apontamentos e fala das contas. Só não refere como lá chegou.

“Nós não compramos jogadores da formação. Vêm para a equipa com opção de compra”.
- Esqueça o Gleison ou o Ismael Diaz. Então e o Francisco Ramos? O João Graça? O André Silva? O Rúben Neves? Porque é que metemos intermediários nesses? Não conseguimos negociar com eles? Tem de vir um Caldeira fazer isso e pagar-lhe sempre que o Rúben Neves faz um conjunto de jogos? Veja os pormenores aqui. Isto o Presidente do Futebol Clube do Porto não explica, nem quer explicar.

Júlio Magalhães bem queria falar sobre o Rúben Neves, mas rapidamente desviou a conversa para o Jorge Mendes e os 10% que ele exige. Não interessa se é familiar ou não. Ou se é pessoa que não gosta. Só tem de fazer o negócio.
- Falta carácter aqui. Há espírito de negócio, mas carácter não…

Já Lopetegui voltou a ser conversa. Jorge Nuno Pinto da Costa disse que deixou Lopetegui escolher à vontade, dando-lhe demasiados poderes, e que falhou nas contratações. Maior problema do que Lopetegui foi o Presidente ter confiado nele. O Adrian foi novamente mencionado. Provavelmente foi a primeira vez que disse a palavra “Campaña”.
          - Presidente, deixe lá o homem. Sei que tem que limpar a porcaria que ele deixou, e pagando-lhe na mesma, mas... em frente, caramba!

Lopetegui respondeu hoje dizendo: "Falaremos mais à frente".
Se havia possibilidades de um acordo, estas foram-se

Esta época, para o Presidente, acabou! Têm 6 jogos de “pré-época” para mostrar quem tem carácter para jogar no Futebol Clube do Porto. Foi enviada uma mensagem forte para dentro do balneário: "queremos equipas com carácter e qualidade"
- Poderei garantir que terei um “medidor de carácter” nas crónicas de cada partida. Mas relembro: a definição de carácter é muito, muito ampla. Faltou ser objectivo na definição. No fim da entrevista ainda acrescentou “qualidade” como exigência para fazer parte do plantel. Outra definição ampla… Isto dará "pano para mangas".

Pré-época no Jamor. Extraordinário.

O grande desafio para o próximo quadriénio é construir um grande centro de Formação. Melhorar as condições da formação do Futebol Clube do Porto para que possamos atrair.
          - Excelente, Presidente. Creio até que os melhoramentos do Olival são constantes. Mas o prometido salto da equipa B para lá ainda está por fazer. As piscinas de Campanhã são outro “upgrade” fantástico. As estruturas que suportam todas as modalidades melhoram. Falta ver o resultado final na equipa profissional de Futebol. Já tivemos um pequeno gosto com Rúben Neves e Chidozie. Sérgio Oliveira e André André também regressaram mais maduros. Mas creio que há mais a caminho. Aposte-se nos produtos da casa! Carácter não lhes falta.

Mais do que Presidente é adepto. Por isso quer manter José Peseiro. Rafa, Otávio e Josué estarão de volta. E a equipa vai jogar para ganhar, mesmo que não nos deixem ganhar. Qualidade e carácter à Futebol Clube do Porto. Vamos ver quem é que carácter para ficar, pois é nas dificuldades. Mobilizar os adeptos e ganhar a Taça de Portugal.
          - Se não se indica o afastamento de um treinador ou jogador na TV, é facto de que, com o que temos, não vamos lá! Mas então a época acabou ou não? Afinal há que ganhar a Taça de Portugal… Decida-se, Presidente!

Carácter, malta... Oupa!!! Não é só ganhar bem e treinar duas horas por dia.

Quanto à recandidatura de Fernando Gomes à Federação Portuguesa de Futebol, não declara se apoia-o. No entanto, deixa um elogio sério a Fernando Santos.
          - Adiante…

A direcção anterior tinha 14 vice-presidentes e 10 directores. No entanto, os novos estatutos não permitem tal. Agora serão apenas 6 vice-presidentes e 6 directores. 6 sectores, um para cada vice-presidente: Financeiro (Fernando Gomes), Jurídico (Adelino Caldeira), Futebol de Formação (Antero Henrique), Património (Eduardo Valente), Casas, filiais e delegações (Alipio Jorge), Planeamento dos Novos Projectos (Emídio Gomes).
- Adelino Caldeira e Antero Henrique continuam. Fernando Gomes também. Erros graves. Dá a entender que a radiografia não foi total. Ou que apenas foram considerados partes dos resultados. Continuar a deixar a formação para Antero Henrique é de levar a mão à testa. Já a política financeira aplicada por Fernando Gomes continua a deixar-me perplexo.


Os seis vice-presidentes do Futebol Clube do Porto, apresentados pelo Porto Canal.
Presidência da Assembleia-geral para o Juiz Conselheiro Matos Fernandes. Presidência do Conselho Fiscal para Paulo Nuno de Almeida. Directores António Borges, Eurico Pinto, Faria de Almeida, Luís Fernandes e Vitor Hugo. Criação do Provedor dos Sócios, com Rodrigo Barros como director.
           - Provedor dos Sócios, uma consequência de uma reclamação da última assembleia-geral. Boa medida.

Durante uma hora um Presidente manifestamente enérgico e com atitude fez se mostrar em estúdio. Mas, a meu ver, também lhe faltou carácter em certo momentos. Para falar de forma franca sobre os intermediários que se aproveitam do Futebol Clube do Porto. Para admitir o que se passa com as contas da SAD. Para esquecer Lopetegui e seguir em frente. Para revelar os resultados da "radiografia" feita à SAD, sublinhar os problemas e apontar uma solução concreta. Para afastar os interesses pessoais, familiares e amigos do clube e da SAD. Não liga a blogs e a redes sociais, mas sabe o que se passa lá. Um pouco como certos jornais. Não lhes liga, mas sabe o que se escreve lá. Ainda se retrai a falar do apito que leva ao colo os adversários, deixando apenas um palpite sobre o minuto 5 do jogo de segunda-feira. Rejubila pelo contrato feito com a MEO, mas esquece-se de enviar uma palavra aos assinantes da NOS, que não podem ver o Porto Canal.

Confesso que até eu fiquei com um gosto doce na boca depois de tanto rebuçado prometido pelo Presidente do Futebol Clube do Porto. Confesso até que estava à espera de um “Kinder GranSupresa” com um AVB lá dentro, para apaziguar. Depois lembrei-me de quem estava a falar. De quem é. Da situação em que estamos. Do que revelou não querer mudar. Dos abutres e hienas que nos rodeiam. Do que me leva a escrever. Creio que esta entrevista apenas vem motivar os seguidores e dar razões aos contestatários. Sabia bem o que fazer ao meu boletim a 17 de abril. Esta entrevista apenas fez-me relembrar do porquê de eu o ter de fazer. Crente que vamos vencer? Sempre. Parvo? À segunda só cai quem quer.


Céptico. Preocupado. Portista.

Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário