terça-feira, 19 de abril de 2016

O acto eleitoral e a entrevista do Presidente

 A direcção das modalidades amadores, e depois do futebol, são o histórico que levam Pinto da Costa a 13 mandatos à frente dos destinos do Futebol Clube do Porto. Este fim-de-semana, "renovou" pela 14ª vez, por mais 4 anos. Fonte

Jorge Nuno Pinto da Costa foi naturalmente reeleito nas eleições de 17 de Abril de 2016 para o 14º mandato consecutivo na Presidência da direcção do Futebol Clube do Porto com 79% dos 2403 votos válidos e brancos. Os votos nulos representaram cerca de 21%. A análise pode ser feita de dois pontos de vista distintos. De um lado, a vitória absolutamente inequívoca, com um aumento significativo de votantes. Por outro lado, revela-se o opositor mais forte da história da Presidência de Jorge Nuno Pinto da Costa em eleições: o “voto nulo”.

De toda a maneira, todo o processo é manifestamente criticável. Em primeiro lugar, os estatutos previam um escrutínio secreto, o que não aconteceu. Mesas de café seguidas sem o mínimo recato não confere ao sócio um momento suficientemente privado para, de forma democrática e secreta, fazer uso e usufruto do seu direito de voto. Fora este importante detalhe ninguém se choque com o resto, porque tudo legal. Boletim azul? Tudo legal... Sem canetas disponíveis? Tudo legal... Votos em branco contam a favor? Tudo legal...

Miguel Guedes foi um agradável surpresa com entrevistador. Mas não nos desviemos ainda do tema.

O Presidente cessante da Mesa da Assembleia-geral Miguel Bismarck admitiu pouco antes das eleições que havia necessidade de rever os estatutos, apelidando o voto em branco como um “pormenor” a acautelar, oferecendo-se para fazer parte da comissão de revisão dos estatutos e do regulamento eleitoral. Recorde-se que foi a própria Mesa da Assembleia-geral do Futebol Clube do Porto, presidida por Miguel Bismarck, que desenhou este mesmo regulamento eleitoral e não foi capaz de acautelar todos estes “pormenores”. Há quem diga que mais vale tarde que nunca, mas talvez fosse preferível dar o lugar a outra pessoa que se mostrasse mais perspicaz na interpretação de uma realidade que já conhecia.

Mas eu próprio tenho de admitir culpas no cartório. Fruto de experiências pessoais anteriores, fui obrigado a conhecer duas Leis Eleitorais. Estive presente também na Assembleia-geral de 14 de Março onde foi aprovado o Regulamento Eleitoral para estas Eleições. E só durante a própria votação é que me apercebi da liberdade que o regulamento aprovado por larga maioria ofereceu na organização do acto eleitoral. Se é verdade que o bom senso deveria imperar, o que é facto é que a deficiente definição de muitos conceitos presentes nas Leis Eleitorais, mas que não existem no Regulamento Eleitoral do Futebol Clube do Porto, permitem uma liberdade na organização do acto eleitoral que saiu fora do que é aceitável. O discernimento das pessoas responsáveis foi manifestamente curto. Mas, no momento do meu voto a favor do reguamento, não fui capaz de me aperceber disso. Farei por aprender com esta experiência e ter voz e uma participação activa na revisão desta área dos estatutos.


Já a entrevista ao Porto Canal foi… supérflua. Foi como uma conversa de café. No Orfeu. Ou na Petúlia. 

Se problemas técnicos ocorrem em qualquer programa, falar de sucessão antes de um Presidente ainda tomar posse, é, do ponto de vista editorial, ridículo. Mas falou-se de outros temas, claro.

Desmentiu a dispensa de Aboubakar e de Varela. Destaca sim o facto de termos jogadores jovens no plantel e que vão existir alterações no plantel, melhorando a sua qualidade, mas descartando qualquer “limpeza de balneário” que não seja a higiene promovida pelos serviços de limpeza.


Então todos os jogadores têm lugar no plantel da próxima temporada...
O campeonato não é uma obsessão, mas sim um objectivo. Mas com cautela, dado que o Estado cobra muito em impostos e não existem apoios, ou perdões de juros de mora ou de dívida.

Quanto ao Treinador, não está pendurado pelo resultado da Taça de Portugal. A SAD está a trabalhar com José Peseiro o futuro do Futebol Clube do Porto. Jorge Jesus é apenas um amigo.

O homem do Futebol é definitivamente Reinaldo Teles. No entanto, pela responsabilidade de Antero Henrique no dia-a-dia do Futebol, foi promovido a Administrador para ser ele a trazer as suas propostas para discussão nas reuniões, promovendo a coesão da Administração da SAD.

A presença junto da equipa de Futebol é constante. Primeiro para conviver com os jogadores. Depois para passar uma mensagem de estímulo e motivação nos momentos decisivos.

Quanto à política de comunicação, admite que prefere falar o menos possível e aparecer apenas ao lado das equipas. Mas os vice-presidentes têm liberdade para falar sobre o seu respectivo pelouro. Ponderou também, em tom de brincadeira, introduzir um director só para desmentir as notícias que são verdadeiras. No entanto, admite que o Futebol Clube do Porto deve ser mais agressivo no campo da comunicação, mas com elevação e sempre recorrendo a factos concretos.

O Dragões Diário é tão agressivo como uma bofetada de um caracol. ACORDA PORTO!!!

Criticou as declarações do ex-Administrador Angelino Ferreira, que, muito ocupado, agora não vai às Assembleias-gerais e relembra que o próprio director do jornal ABOLA admitiu que a publicação foi criada para ajudar o Benfica. E acredita que o Benfica, e o próprio Luis Filipe Vieira, ganhou a batalha do poder do Futebol e na arbitragem. Mas não a guerra.

Joaquim Oliveira e Jorge Mendes foram parceiros do Futebol Clube do Porto. Segundo o Presidente, Jorge Mendes foi parceiro por causa dos negócios, e foi para outro lado fazer negócios. Sublinha novamente que o caso Adrián Lopez foi um mau negócio para o Futebol Clube do Porto, mas que continuará a fazer negócios com Jorge Mendes. Já sobre a NOS e a MEO, é negócios.

Sobre Julen Lopetegui, questiona a capacidade de compreensão da língua Portuguesa. Não saiu depois da derrota do Sporting pois era uma demonstração de poder dos adeptos que reclamaram, e não uma decisão da SAD. Saiu depois do empate frente ao Rio Ave por três razões: primeiro porque os adeptos apoiaram a equipa incondicionalmente, segundo porque Lopetegui deu satisfações ao Presidente sobre quem ia jogar sem necessitar mas fugiu ao que tinha dito no jogo, por último porque no fim do jogo foi ao balneário do Treinador e Lopetegui disse que, com ele, resolvia-se em dois segundos, num sinal interpretado como um deitar da toalha ao chão. No dia seguinte, já era o advogado que teria de falar por Lopetegui.


Creio que é a terceira vez que este tema é abordado, e exactamente da mesma maneira. Já chega de falar dele.

Garantias de sucesso?? Nenhumas. Mas promete uma direcção mais unida e uma equipa que espelhe o espírito do clube.

Ainda houve tempo para comentários gerais sobre o estado do País, que, segundo Jorge Nuno Pinto da Costa, beneficia muito com os imposto pagos pelo Futebol Clube do Porto.

A entrevista demorou mais de 90 minutos e terminou já depois da meia-noite. As novidades que a grande maioria dos Portistas queriam ouvir, nomeadamente sobre a próxima época, não ouvimos. Volta a segurar José Peseiro, mas sem a assertividade que se impõe. Agarra os mais recentes alvos da imprensa em Aboubakar e Varela, mas ainda não releva pormenores sobre a próxima temporada. Se não viu a entrevista, partilho o vídeo com a entrevista na sua totalidade. Mas não perde nada de revolucionário. Jorge Nuno Pinto da Costa é um verdadeiro Mestre neste registo, mas o conteúdo peca por limitado e pela repetição do que já foi dito anteriormente. Não basta. Não fecha.



Promete-se algo de diferente, mas não se dá sinais de mudança, dando a a impressão de que parece que vai ficar tudo igual. Enfim, o sorriso que tinha depois da goleada em casa frente ao Nacional já se foi, caindo na realidade de que o futuro do Futebol Clube do Porto continua mais do que incerto. Espero para ver, sofrendo todos os dias pelo meu Clube. Porque, no fim de tudo, o meu desejo é igual ao de todos os Portistas: ver o Futebol Clube do Porto vencer!

Céptico. Preocupado. Portista.

Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

2 comentários:

  1. A foto é da tomada de posse de JNPC como director do Departamento de Futebol
    do nosso Clube, na penúltimo mandato de Américo de Sá.
    Sei-o porque o presidente da AG, na foto é o dr Ponciano Serrano...e porque sou velho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro antas, obrigado pelo comentário.

      Agradeço a correcção e esta já foi feita na legenda em causa. Convido-o a, sempre que lhe for possível, comentar publicações futuras, partilhando o seu conhecimento sobre o nosso Clube aqui no blog.

      Um abraço.

      Eliminar