sexta-feira, 11 de março de 2016

“Desistir? Só no fim” – Antevisão: Futebol Clube do Porto vs U. Madeira (Liga NOS)


Design ainda em testes. Powered by canva.com

A noite de sábado marca o regresso do Futebol Clube do Porto ao Estádio do Dragão para jogos do campeonato depois de uma dupla jornada fora de casa que teve sucesso misto. A vitória arrancada a ferros não relembrou o Futebol Clube do Porto das dificuldades que poderia sentir de lá para a frente e, mesmo depois da confirmação da presença no Jamor, cedeu frente a um SC Braga novamente mais inteligente, disciplinado e pragmático que o Futebol Clube do Porto, e a derrota é um adeus praticamente certo às aspirações que ainda existiam do título nacional. Praticamente é a palavra correcta para este contexto. As contas não estão fechadas. Nem para “cima”, nem para “baixo”. Os seis pontos para a liderança não são irrecuperáveis. São nove as partidas que faltam para o fim do campeonato. Difícil, mas ainda é possível. Por outro lado, se Paulo Fonseca admite que será difícil chegar ao terceiro lugar, um resultado menos positivo nesta jornada do Futebol Clube do Porto poderá alterar essa perspectiva. Por isso, a responsabilidade do Futebol Clube do Porto não diminui.


Aposto no seguinte onze:

Powered by lineupbuilder.com
  
Autoritário. Motivado. Esfomeado. É o que exijo aos onze jogadores que começarem o jogo de sábado frente ao adversário deste fim-de-semana. José Peseiro teve, pela primeira vez, uma semana completa para preparar esta partida. Um novo máximo para o Treinador do Futebol Clube do Porto, que enfrentou um calendário muito apertado desde que chegou ao clube. Embora não possa ser uma desculpa, é compreensível que seja uma condicionante. Até ao fim da temporada, esse problema não existe, dado que o Futebol Clube do Porto competirá apenas ao fim-de-semana. Por isso, José Peseiro terá mais tempo de preparar cada jogo, o que deve resultar numa melhor prestação em cada partida até ao fim do campeonato. Tolerância e paciência são pedidos feitos por José Peseiro durante a conferência de imprensa de antevisão do jogo de amanhã. Paciência, sim. É um pedido perfeitamente válido. Um passe falhado acontece em todas as partidas. É normal, e por isso devemos ter alguma paciência. Afinal o jogo tem 90 minutos. Embora deseje que o Futebol Clube do Porto tenha uma prestação bem superior à de jogos anteriores, pode ocorrer que o seu desenrolar não esteja a ser favorável, mas que o resultado final seja positivo. Tolerância, nem tanto. Medir o grau de aceitação de algo contrário ao que pretendemos só se pode aplicar ao resultado final. Recordo que José Peseiro admitiu estar ciente da responsabilidade e exigência inerente ao cargo de Treinador do Futebol Clube do Porto. A vitória é o único objectivo possível e, por isso, não haverá tolerância para outro resultado que não esse.

Danilo, André André e Bruno Martins Indi estão suspensos, e por isso impedidos de jogar. Será nova oportunidade para os também Portugueses Sérgio Oliveira e Rúben Neves começarem de início frente à União. Com Marcano lesionado, deverá ser Layún a fazer par com Chidozie à frente de Casillas, dando a José Ángel o lado esquerdo da defesa. Evandro e Varela também estão de fora dos convocados. Entram em sentido oposto Diogo Verdasca, Victor Garcia, Francisco Ramos e João Graça. Será novamente uma defesa remendada que terá de suportar um Futebol Clube do Porto de tendência ofensiva e à procura de um resultado volumoso justificado por uma exibição convincente. Vamos a eles PORTO! Sem medo, ou vergonha.

No Futebol Clube do Porto, Diego Reyes realizou mais partidas pela equipa B do que pela equipa A.
Imagem Sky Sports

Nota para a declaração de Diego Reyes, onde revela que não pretende voltar ao Futebol Clube do Porto. Compreendo a sua decisão e, também por isso, espero que assim seja. Por muita qualidade que possa eventualmente ter, se não quer jogar no Futebol Clube do Porto terá de ser vendido. Recorde-se que 95% dos direitos económicos de Diego Reyes custaram, entre passe e comissões mais de 9.000.000,00€. De momento, Futebol Clube do Porto detém 47,5% do passe de Diego Reyes, com mais 47,5% a pertencer à Classic Investments. A Northfields terá direito a 10% de uma mais-valia acima de 8.000.000,00€ que venha a resultar de uma eventual venda. A busca por defesas-centrais de qualidade terá de continuar.

Confiante. Crente. Portista.

Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.


Um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário