segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

“Uma vergonha, vocês são uma vergonha” – Crónica: Futebol Clube do Porto 1x2 FC Arouca (Liga NOS)

Ficha de jogo presente em www.fcporto.pt


A Porta 26 estava algo inquieta antes do jogo. O Porto Tónico entretinha o público, mas a dúvida pairava no ar: “O Porto entra sempre mal nos jogos”. Essa teoria foi provada uma vez mais. José Ángel no lugar de Layún, que foi para a ala direita. Indi teve um novo parceiro no centro da defesa, o capitão Maicon.

O jogo ainda nem tinha começado para os que viam na SportTV, e o Futebol Clube do Porto já estava em desvantagem. Início profissional do adversário, com José Ángel a posicionara deixar escapar Zequinha e o cruzamento a passar por Casillas e Maicon e chega a Walter. Postura de completo amadorismo no campo e irónica garagalhada vinda da bancada. 10 segundos de jogo e 0-1. Danilo Pereira tenta de longe mas a paciência do público já se foi. O carrinho é prato forte e a pressão do Futebol Clube do Porto é alta. Sufoca o adversário, acordado com o golo sofrido. Com um central a vigiá-lo na ala, Brahimi vem ao flanco direito cruzar para Aboubakar, que não desvia o cabeceamento o suficiente e permite a Bracalli desviar para canto. O camaronês queria a assistência do jogador habitual. O inevitável Layún marca o canto e agora Aboubakar factura. Empate no Dragão a espelhar a elogiável reacção do Futebol Clube do Porto. O Arouca responde com mais uma dádiva da defesa. É Danilo Pereira que desvia e Casillas a defender para canto. A meio da primeira parte Brahimi procura jogo interior novamente, tabela com Aboubakar e deixa para Layún cruzar para Corona. A boa jogada tem Bracalli como oponente. “Time out” por volta da meia hora para a primeira de MUITAS assistências a Bracalli, o crónico lesionado que segue em campo a perder tempo. José Ángel aparece na frente. Numa primeira tentativa, o cruzamento sai demasiado chegado a Bracalli. Numa segunda oportunidade, desvia para o pé direito e atira por cima. Na resposta, Casillas recupera acções valentes de outros e sai a um remate de Matheus, que já ia isolado. Muito perigo. O intervalo não chega sem Brahimi ser carregado. Amarelo que pareceu curto. Assim o jogo chega ao seu intervalo. Reacção excelente ao golo sofrido por parte do Futebol Clube do Porto, que perde fólego com o desenrolar da primeira parte.

O excelente trabalho do Porto Tónico durante o intervalo tentou acordar o público. E o Futebol Clube do Porto começou bem o segundo tempo. Um corte de cabeça de Maicon isola Aboubakar, que, em frente a Bracalli, não consegue finalizar. André André, de cabeça, também não acerta na baliza. Hesitações do sempre mal-amado Herrera deixam o público em nervos, e o empate persiste. A hora de jogo chega e André André é desmarcado e assiste facilmente Brahimi que encosta para o 2-1. O árbitro auxiliar decide assinalar fora-de-jogo, anulando o golo marcado, embora não existisse qualquer irregularidade. Erro grave do apito. Na ressaca, Varela rende André André, que assume a posição 10. Maicon, logo a seguir, tem sorte em não ser expulso. Entrada perigosa que dá apenas amarelo. Mais um erro grave da equipa de arbitragem contra o Futebol Clube do Porto, que possibilita que Maicon fique em campo e presenteie Walter Sousa, e que, em frente a Casillas, não vacila. 1-2 no Estádio do Dragão. Na sequência, o capitão…. Repito!... O capitão do Futebol Clube do Porto, Maicon, acusa uma lesão e encosta-se à linha lateral. Com 1-2, com o Futebol Clube do Porto a perder, o capitão encosta-se à linha lateral e desiste do jogo. Ruben Neves rende Maicon e Danilo Pereira recua no terreno. O brasileiro não se livra de assobios e apupos. Começa o assalto à baliza contrária. Ronda-se a área contrária, mas não se cria perigo. Mesmo assim, Bracalli tenta novamente fazer o jogo perder tempo, com 20 minutos para o fim. Marega rende Brahimi e o esquema da frente altera-se. O argelino não foi o pior mas o recém-entrado não pede licença e testa a atenção do crónico lesionado Bracalli. A desvantagem persiste e o Futebol Clube do Porto perde ritmo e com poucos argumentos para inverter o resultado. A excepção foi a nova assistência de Layún. Nem Marega nem Aboubakar quiseram encostar para dentro. Que perdida! Bracalli volta a perder tempo. Só com ele foram grande parte dos 6 minutos de compensação. Sem mais para contar, o jogo arrasta-se para o seu fim. Primeira derrota de José Peseiro em casa. O Futebol Clube do Porto vê cada vez mais longe o objectivo campeonato.


Era o 2-1 e o jogo seria bem diferente.


(+)

Danilo Pereira: Num jogo onde são poucos os elogios a deixar, foi talvez o mais inconformado. Por duas vezes queixou-se de problemas físicos, mas, mesmo em dificuldades, continuou e fez os 90 minutos. É por isto também que Ruben Neves não tem tido as mesmas oportunidades que na época passada.

Brahimi e André André: Deixo aqui a menção a estes dois jogadores, pois não percebo o porquê de terem sido substituídos. Houve quem estivesse pior e fez hora e meia. Em tempo de bonança, há que gerir. Quando o resultado ainda não está feito, é para apostar nos melhores. José Peseiro mal nestas duas opções.

(-)

Maicon: Uma imagem vale mais do que mil palavras, segundo consta. E toda a gente viu, e ainda se lembra. Por não ter cortada no primeiro golo, por ter oferecido o segundo, mas, acima de tudo, por ter acusado um problema físico e ter desistido do jogo, não pode jamais ter a responsabilidade de envergar a braçadeira de capitão. No meu entender, nem sequer tinha novamente oportunidade de jogar. Foi um jogo onde novamente todos constataram que falta um central de qualidade ao Futebol Clube do Porto. Nem em Janeiro fomos capazes de culmatar essa lacuna.

Foi um jogo atípico, turbulento e constrangedor. Desequilibrado na defesa, já que era toda nova: Indi trocou de lado e ganhou um novo parceiro, assim como Layún. Arranque novamente a passo. Excelente reacção ao golo sofrido e pressão alta para chegar ao empate, que foi se diluindo com o passar do tempo. A segunda parte trouxe uma postura mais constante, mas globalmente pior. Não creio que seja falta de qualidade. Ou, pelo menos, apenas falta disso. São limitações de ordem motivacional que levam, uma vez mais, à perda de pontos. As distracções defensivas foram a principal razão da derrota, mas não só. Foram feitas algumas opções incorrectas, nomeadamente no que toca às substituições. 

O apito meteu a mão novamente no resultado. O 2-1 de Brahimi poderia ter levado a um jogo bem menos complicado e sem este desfecho. Agora que o "roubo" já está feito, falta a resposta. Se fosse com outros, nem esperavam pelo final do jogo para a respectiva reclamação, em praça pública, à frente de todas as câmaras, mesmo arriscando suspensões. Esta foi a última vez que me lembro disso acontecer com o Futebol Clube do Porto:

Vez rara em que, nos últimos anos, se teve a coragem para vir a público falar do apito.


Repito o que disse noutras alturas: O DRAGÕES DIÁRIO NÃO BASTA!!!! Que passividade... Há que vir a público falar e denunciar estes casos que continuam a prejudicar as ambições do Futebol Clube do Porto. Que medo existe dentro do Futebol Clube do Porto para vir a público falar??? Ou só dá jeito quando se chega à liderança, que apenas durou uma jornada??

6ª feira é na Luz contra o rival que vai à nossa frente e cada vez mais destacado. Antes prometo uma abordagem pormenorizada a certos documentos que vieram a público sobre direitos económicos de Yacine Brahimi, que merecem reflexão.

Crente. Portista.

Promova o debate. Comente e deixa a sua opinião. 

Um abraço. 

4 comentários:

  1. - Jose Angel: 100% cruzamentos para o guarda-redes - rua
    - Herrera: 0% ideias; 100% asneiras - vender
    - Maicon: 100% borrada - rua
    - Indi: 0% bolas ganhas de cabeça; 100% lances perdidos no 1 para 1 - vender
    - Corona: 100% bolas perdidas em fintas - puxar as orelhas com FORÇA!
    - Brahimi: 100% fintas, 0% eficácia - puxar as orelhas com FORÇA!

    100% PORTO: Layún, André, Danilo

    O golo é mal invalida é certo, não estamos bem e estes contratempos não ajudam, mas isso não explica tudo.

    Esses temas têm de ser denunciados pela administração e como dizes e bem não serve só um Dragões diário. A juntar a isso um jogo normal tem 3 ou 4 minutos de compensação. Depois do golo do Arouca (66') não se jogou à bola e no fim foram 6 minutos...

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Marco Monteiro, obrigado pelo comentário.

      Ontem, no Estádio do Dragão, avistei muitos asiáticos a assistirem ao jogo. Pode ser que os chineses comprem alguns dos que jogadores que já têm ordem para procurar clube.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. Aguardo ansioso pelos tais documentos. Estive off uma semana...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Lápis Azul e Branco, obrigado pelo comentário.

      São documentos que vieram a público pelo meio mais recente e polémico. Até agora, a SAD não teve qualquer reacção à sua publicação. Aliás, as reacções de elementos com responsabilidade no Futebol Clube do Porto são raras e bem espaçadas no tempo. Até lá, tomarei o que está lá escrito como verdadeiro.

      Um abraço.

      Eliminar