quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

“Offside”– Crónica: Futebol Clube do Porto 0x1 Borussia Dortmund (Liga Europa)

Ficha de jogo completa em www.fcporto.pt

Início de jogo com o Futebol Clube do Porto com a posse de bola. Layún volta a assumir a posição de central, desta vez ao lado de Marcano. Danilo Pereira assume a posição de trinco, ao lado de Ruben Neves, com Varela na esquerda, Marega na direita e Evandro no meio, no apoio a Aboubakar. Futebol Clube do Porto menos encolhido do que a semana passada, Dortmund menos atrevido, mas o filme não é muito diferente. Dortmund com mais posse e pressão alta, Futebol Clube do Porto mais na expectativa, com linha de pressão baixa. A primeira oportunidade é visitante, com Mkhitaryan a rematar à figura de Casillas. Aos 22 min ocorre o absolutamente indesejável. Danilo Pereira falha o corte e dá espaço ao adversário e dá espaço a para assistir Marco Reus, que, sem qualquer marcação remata para Casillas fazer uma grande defesa. Na recarga, Aubameyang, em fora-de-jogo, remata à barra, com a bola a bater em Casillas e a entrar na baliza. Tarefa ainda mais complicada para o Futebol Clube do Porto, que não consegue reagir ao resultado. Ganham-se cantos, mas não se cria perigo. A excepção ocorre ao minuto 40. Evandro tem espaço, trabalha bem e entrar na área, mas o remate sai ao lado. A seguir é Varela que responde da melhor forma a um cruzamento de Layún. É oportunidade para Roman Bürki brilhar. Que perigo, e que grande defesa. Intervalo no jogo. Pese embora o esboço de reacção no fim da primeira parte, é o Dortmund que domina a partida, e está na frente com justiça.

 

José Peseiro escolheu não mudar ao intervalo. Ao minuto 54 Marega consegue furar pela direita. Com o passe atrasado para Aboubakar, o camaronês tenta o calcanhar. Burki está atento e encaixa. Peseiro, em modo de gestão de plantel, troca Aboubakar por Suk. O Estádio do Dragão pede penalty logo a seguir, com Suk a cair na área. O árbitro dá canto. Canto não era de certeza, já que Suk foi o último a tocar na bola. Na ressaca do canto, Danilo remata ao lado. Perto da hora de jogo, Nuri Sahin atinge o Português com a sola da bota no peito. O cartão sai amarelo. Pouco depois, Aubameyang introduz a bola na baliza, mas como o auxiliar é outro, já é assinalado o respectivo fora-de-jogo. Ao minuto 65, Varela cede-se o seu lugar a Brahimi. Herrera entra para o lugar de Evandro para os últimos vinte minutos da partida. Depois de um ressalto ganho, Burki sai bem a um remate de Suk. O auxiliar volta a estar atento ao assinalar fora-de-jogo a Kagawa. A bola ainda chega a entrar na baliza, mas já não conta. Casillas volta a ter de responder depois de um remate ressaltar em Layún. Tudo tranquilo para o Dortmund. Joga lento, até porque não tem um Futebol Clube do Porto que lhe resista. Brahimi teve nos pés o empate, já perto do fim, mas acerta no ferro. Que perigo! De uma posição semelhante, Mkhitaryan também acerta no poste. A seguir, em frente a Casillas, Kagawa envia a bola à malha lateral. Com os dois minutos de compensação concluídos, termina a partida. Deco e Nuno Espírito Santo, presentes no Estádio do Dragão, como qualquer outro adepto, não mereciam ver isto.

Danilo Pereira foi novamente o mais combativo do lado Azul e Branco.
 
(+)

Danilo Pereira: Volta a ser a unidade que mais batalhou dentro de campo.

Suk: Entrou bem, lutou e sempre demonstrou vontade de mostrar serviço. Merece mais oportunidades, até como titular.

 
(-)

José Ángel: Fraquinho, fraquinho, fraquinho… Nada de novo, mas custa ver. Para suplente deste tipo, seria mais interessante apostar em alguém da formação, e não emprestá-los.

Ruben Neves: Novamente uma exibição apagada do menino. Difícil articulação com os laterais para criar jogo. Pouca capacidade de pressão defensiva. O jogo era de alta exigência, mas é também assim que vemos a qualidade dos jogadores. Ruben Neves voltou a encolher-se e a não aparecer.
 
Maxi: Ora por lesão, ora por simplesmente não poder, demonstrou uma condição física deplorável que se veio a reflectir num rendimento reduzido durante toda a partida, e, em particular, no quarto de hora final. Preocupa-me a sua condição para domingo.
 
Há que render-se às evidências. O Dortmund é melhor equipa, tem melhores jogadores, é mais consistente e por isso merece seguir em frente. Em consciência, há que dizer que José Peseiro não quis tentar ganhar qualquer dos jogos, nem a eliminatória. Se, na primeira mão, a falta de opções defensivas exigiu que a ambição fosse pouca, esta não pode nunca ser tão reduzida. Por outro lado, deixando tudo para o segundo jogo, não só o resultado já era demasiado desnivelado, como as opções de José Peseiro não indicaram qualquer esperança na recuperação da desvantagem, dando prioridade aos jogos do campeonato. Após a partida, a menção ao resultado da primeira mão foi repetida. Ora, se não se quer fazer mais do que apenas sofrer poucos, não é possível desejar ser possível ganhar a eliminatória perante uma equipa da qualidade do Dortmund. Foi só e apenas gerir a capacidade física e mental dos jogadores, sem qualquer intenção de querer discutir a eliminatória. Por isso, o repetido elogio de José Peseiro à prestação dos jogadores, e até à presença do público. Pensamento curto da tomada de decisão para esta competição, que resulta na eliminação. O apito não ajudou, mas também não precisava de ajudar, apenas de apitar. Fora-de-jogo no único golo da partida e vermelho por mostrar a Nuri Sahin. É discutível um possível penalty por assinalar sobre Suk. Na “flash interview”, Danilo Pereira sublinhou que devíamos ter arriscado mais, principalmente na primeira parte do jogo. Espero apenas que esta acertada análise não seja sinal de qualquer mau estar no balneário nem que isto traga qualquer consequência negativa para o jogador.
 

Estamos fora da UEFA. Ainda temos duas competições para tentar vencer. Haverá mais tempo para, durante a semana, José Peseiro passar a mensagem ao plantel de que ainda é possível conquistar a Taça de Portugal e lutar até ao fim do campeonato. Mais do que nos jogadores, acredito que a chave estará na capacidade da equipa técnica gerir as emoções dos jogadores que, após o jogo frente ao Gil Vicente na próxima quarta-feira, jogaremos apenas ao fim-de-semana. Domingo é em casa do Belenenses.


Nota para o anuncio do dia sobre o Futebol com Vítor Pereira, actual presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, a comunicar que não será novamente candidato e, por isso, não integrará a lista de Fernando Gomes nas eleições marcadas para 4 de Junho. É, provavelmente, a melhor notícia que a arbitragem poderia ter obtido. Mesmo não apreciando falar do apito, abro uma excepção para este tema. Já era tempo de este senhor se retirar. Aliás, a decisão de apontar João Capela como o árbitro para domingo é apenas a mais recente decisão deste responsável que demonstra uma de duas coisas: ou a sua demência, ou o seu clubismo. A partir de 4 de Junho, será alguém diferente, ainda por ser eleito. Até lá, prevejo que a sua criatividade estará no auge. O Futebol Clube do Porto terá de se mostrar mais forte do que qualquer colo alheio ou chupeta para chorão.

 
Crente. Portista.

Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

6 comentários:

  1. Tudo trocado, melhores em campo: Angel, Marega, Varela e Aboubakar.
    Não os vendam pois vão ser fundamentais para o ano!!

    Ironia desligada.

    O Rúben não está num bom momento é certo, mesmo assim melhorou neste jogo mas abaixo do exigido.
    Tendo a gostar do Suk, mas só ser esforçado não basta, isto não é a santa casa. É um bom suplente pois faz mexer quando entra, ou para jogar como segundo avançado, mas nesse casa o seu parceiro tem de ser bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Marco Monteiro, obrigado pelo comentário.

      Evidentemente que o facto de jogar pouco, ou menos do que na época passada, afecta a prestação do Ruben Neves. Mas também é verdade que é neste momentos que um grande jogador se afirma e mostra a sua qualidade. Na minha opinião, não foi desta, novamente... Esperemos por melhores prestação do menino, que poderá ser muito útil até ao fim da temporada.

      Quanto ao Suk, julgo que José Peseiro deveria dar-lhe mais tempo de jogo. Claramente Osvaldo nunca demonstrou capacidade para ser alternativa a Aboubakar. Embora seja um jogador diferente do camaronês, já marcou para a taça e para o campeonato.

      Embora durante dois meses jogaremos apenas ao fim-de-semana, creio que José Peseiro poderá dar oportunidades a algumas unidades menos utilizadas para jogar de início, até porque é necessário pensar na próxima temporada. Não é urgente, mas é necessário.

      Um abraço.

      Eliminar
  2. COmo é que um treinador depois de perder por 0-2 diz que nada está perdido e depois se apresenta como ontem se apresentou em campo ?
    É para gozar com os adeptos que pagam e que vão ao estádio num dia frio ? É que sinceramente não dá para entender.
    Se era para poupar mostrava desde início o foco no campeonato, fazia com o Jorge Jesus que mesmo perdendo acabam por apenas frisar que ele nunca quis a Liga Europa, mas não, adoptou uma postura errada e mostrou uma coisa que não queria. Isso chama-se falta de atitude.
    Isto com jeitinho acaba como na época passada, no fim ganha-se " BOLA " .
    Pior equipa dos últimos largos anos, não compreendo como um clube como este pode construir uma equipa destas, lamentável.
    A culpa ? Só da SAD, já há muito que acho que se passa ali um Imbróglio enorme e que está a estragar o nosso clube.
    Enquanto isso não sair temo o pior .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Blinco #7, obrigado pelo comentário.

      José Peseiro sempre apresentou um discurso muito ambicioso, mas que, na maior parte das ocasiões, não tem resultados práticos. No entanto, sempre irei seguir a postura do Treinador para com a imprensa. Se apresentar um discurso firme, acredito que é para vencer. Por outro lado, se demonstrar em algum momento um pingo de indecisão, o jogo seguinte será para cumprir calendário. Neste caso, o discurso era de alta ambição, mas não se viu isso em campo. O foco de José Peseiro é certamente o Belenenses.

      Aliás, creio que o nível de dificuldade foi elevado com a nomeação de João Capela para árbitro da partida. A competição era claramente considerada com secundária, e o adversário só ajudou a dissuadir qualquer interesse.

      Com um plantel mais bem estruturado, talvez fosse possível ambicionar tudo isto que nós queríamos: ganhar na Luz, arrancar um bom resultado em Dortmund, ganhar ao Moreirense, passar a eliminatória frente ao Dortmund, e ir a Belenenses vencer.

      Com o que está disponível, e analisando a actual disponibilidade física dos jogadores, isso não é possível. Uma palavra para todos nós adeptos que fomos na cantiga do "é possível" e "eu acredito". Como Portistas, crentes, adeptos, doentes, é esse o nosso papel. Creio que também está nas nossas mãos pedir satisfações quando as nossas expectativas saem defraudadas. Curiosamente, existe uma clara oportunidade para isso, em Abril.

      Um abraço

      Eliminar
    2. Sim concordo.
      Teremos todo o direito de pedir explicações no fim .
      Sei também ver as nossas capacidades e as capacidades do adversário.
      É óbvio que a equipa do Dortmund é muito mais bem composta do que a nossa, tanto a nível individual como colectivo, pois por vezes não é só necessário ter estrelas mas se a equipa funcionar bem, entrosados as coisas podem correr bem.
      A verdade é que de uns anos para cá a nossa conversa infelizmente tem sido sempre a mesma, " é melhor terminar a época e começar a preparar a próxima " e depois é o que se tem visto.
      Existe internamente pessoas que querem fazer muito mal ao nosso Porto, isso ve-se ao longe, mas fazer o quê ?
      É esperar por alguém que bata de uma vez por todas na mesa e diga BASTA !

      Eliminar