sábado, 6 de fevereiro de 2016

"Ganhar ritmo" – Antevisão: Futebol Clube do Porto vs FC Arouca (Liga NOS)

Jogo com início marcado para as 19h15, no Estádio do Dragão.

Depois de duas partidas fora de casa que resultados, respectivamente, em duas vitória, o Futebol Clube do Porto regressa ao Estádio do Dragão para receber o Arouca em mais um jogo a contar para o campeonato. Domingo irá ser terminado um ciclo de jogos que começou também em casa, frente ao Rio Ave, em que nesse período o calendário apertado obrigou a duas partidas por semana a contar para as diversas competições internas. Durante esse período foram vários acontecimentos que afectaram a realidade Azul e Branca. O Futebol Clube do Porto foi eliminado da Taça da Liga, caiu para terceiro no Campeonato, mas deu um passo em frente na Taça de Portugal, onde está muito perto de chegar à final. As alterações na equipa também se fizeram sentir. Três treinadores, sendo Rui Barros o elo entre o despedido Julen Lopetegui e a primeira escolha José Peseiro. Nos elementos do plantel também se registam alterações. As saídas de Tello, Osvaldo e Imbula foram compensadas por Marega e Suk, com José Sá a chegar para reforçar à baliza. De um período negativo, o Futebol Clube do Porto parece entrar em senda positiva. 3 vitória de Peseiro em 4 partidas, sendo a única derrota para a Taça da Liga, competição onde o Futebol Clube do Porto já se encontrava eliminado. Por isso, e tendo em conta o futuro ciclo que se inicia na Luz, é crucial alcançar os três pontos frente ao Arouca.


Com várias baixas, aposto no seguinte onze:
Powered by lineupbuilder.com

José Peseiro deverá regressar ao onze habitual com que tem iniciado os jogos do Campeonato, com excepção as alterações forçadas, devido a castigo, de Marcano e Maxi. Maicon deverá ser chamado para o centro da defesa, com José Ángel a assumir a ala esquerda e Layun a substituir Maxi Pereira. Destaque para as chamadas de Suk, que treinou condicionado fruto da lesão contraída frente ao Gil Vicente, e Chidozie, central da equipa B. Olhando para as opções no plantel, José Peseiro não tem muito por onde preferir e, principalmente no meio-campo ofensivo, onde tem duas baixas, irá certamente manter a estrutura com que iniciou o seu percurso como Treinador do Futebol Clube do Porto. 

Olhando para o adversário, regista-se uma propensão para o empate. São já 10 em 20 partidas a contar para o Campeonato, e 7 em jogos fora de casa. Mesmo registando golos sofridos, veremos um adversário que deverá se apresentar igualmente fechado como o Marítimo, e ainda mais que Estoril ou até Gil Vicente. Paciência é um atributo que o Futebol Clube do Porto de José Peseiro ainda não demonstrou, conseguindo, sempre que venceu, marcar no primeiro tempo. As diferenças na forma de jogar vão se notando com o passar dos jogos, e a isso se deve, em larga maioria, ao seu trabalho, dia após dia, e às ideias que incutiu num balneário onde a motivação escasseava. Julgo que o balneário também não se livrou de um valente “puxão de orelhas”. Tudo teve como consequência melhor Futebol, capacidade goleadora e um respeito pela camisola não registada com outros comandantes. Está na altura de virar a página e de assumir a responsabilidade que o emblema obrigado, levando-o ao lugar que se habituou a ocupar mais do que os outros. Para a semana, é na Luz, com Dortmund logo a seguir. Mas primeiro há 3 pontos para conquistar frente ao Arouca. Que a pipoca do Dragão seja a vitória e o bom Futebol praticado pelo Futebol Clube do Porto, com início para as 19h15. Lá estarei.

Kelvin teve ordem para regressar ao Brasil. Imagem Porto Canal

Nota para o novo empréstimo de Kelvin, desta vez ao São Paulo. Já vai longe o saboroso golo na compensação em 2013, ou mesmo o "bis" frente ao Sp. Braga. Sem espaço para evoluir no Futebol Clube do Porto, este "vai e vem" sistemático não favorece nenhuma das partes. O seu ano no Palmeiras foi de estagnação, fruto das poucas oportunidades para jogar. Não se prevê, agora no São Paulo, que essa realidade seja alterada, promovendo a desvalorização do jogador, e, por conseguinte, a perda de valor de um activo do Futebol Clube do Porto, que espera propostas já que demonstra que não quer o jogador, pese embora tenha renovado até 2018 antes de voltar ao Brasil. O espaço K resistirá no museu. Nem Kelvin, nem o Futebol Clube do Porto resiste a tanto empréstimo.

Positivista. Esperançado. Crente. Portista.

Promova o debate. Comente e deixe a sua opinião.

Um abraço.

1 comentário: